Cascavel – O prefeito de Cascavel, Leonaldo Paranhos, disse nesta sexta-feira (18) que cabe ao poder público ajudar, com ações, o empreendedorismo a se fortalecer e a buscar alternativas para que a cidade toda se torne independente. “Temos que ajudar, sim, e esse ajudar, dentro do poder público, tem várias formas. Tem a assistência social, que ajuda as famílias no momento de vulnerabilidade, mas esse não é o principal desafio. O grande desafio é a prefeitura ajudar a cidade a ser independente”, afirmou.

A declaração foi feita durante a entrega das obras de reforma dos nove casulos industriais do Núcleo Industrial Cataratas.

Paranhos destacou o incentivo para incentivar a geração de emprego e renda com medidas que desburocratizam o caminho para o empreendedor, como o Alvará Fácil e o Habite-se Online. “Tudo isso fez com que Cascavel, de fato, chegasse a um patamar que, mesmo em um período de pandemia, esteja liderando o ranking do emprego”, diz.

Paranhos prevê, após a pandemia, uma “explosão” no desenvolvimento da economia.

 

Casulos

A secretária de Desenvolvimento Econômico, Hivonete Piccoli, diz que os casulos industriais promovem a geração de emprego e renda. “Hoje, com incentivo, a oferta do Município vem em forma de subsídio. É um aluguel diferenciado  justamente para que o empresário tenha condição de instalar sua empresa e poder encontrar a oportunidade de uma retomada econômica”.

Os casulos abrem espaço para indústria e serviços.

No mesmo ato, o prefeito assinou a autorização para a abertura do novo edital que irá selecionar a ocupação das outras oito unidades que estão disponíveis no Núcleo Industrial.

 

Incentivo

O empresário Adriano Braz Machado, que recebeu as chaves de um dos nove barracões, disse que, em 90 dias, pretende abrir cinco novas vagas de emprego. “Estamos saindo de um aluguel muito alto e vindo pagar um aluguel irrisório. Essa diferença a gente pode investir na empresa, pode contratar mais funcionários. A iniciativa da prefeitura para o microempreendedor é excelente. Com a pandemia, o microempreendedor precisa de um empurrãozinho para não fechar as portas”.