Prestes a completar seis meses, a promessa do ex-governador Beto Richa continua no papel. E ao que tudo indica deve ficar lá mais algum tempo. Com isso, a população de Cascavel fica sem as alças de acesso ao viaduto que liga os Bairros Pacaembu e Jardim Presidente e a implantação das marginais entre os Trevos Cataratas e da Portal, na BR-277.

O DER-PR (Departamento de Estradas de Rodagem do Paraná) informou, por meio de nota, que não há data definida para abertura de licitação, tampouco previsão para execução da obra. “Estão em andamento todos os trâmites técnicos e burocráticos necessários para licitar a execução da obra, que dependem da aprovação do projeto”, diz o DER.

O que também deve mudar é o orçamento. Em março, a estimativa de custo das intervenções era de R$ 24 milhões. Segundo o DER, o valor só será definido após a conclusão do edital.

O mecânico Celso Morais passa quatro vezes por dia pelo viaduto e reclama da falta que a estrutura faz: “Se o projeto estivesse completo, facilitaria a passagem dos veículos. Às vezes preciso fazer uma volta enorme para acessar a BR”.

Legenda: Sem alças de acesso, parte do viaduto está interditada

(local trevo alças_as)

Após acidente

O anúncio de que seriam investidos R$ 24 milhões no viaduto veio após acidente em fevereiro deste ano perto do Trevo da Portal no qual em 12 pessoas ficaram feridas. Em março, Beto Richa veio a Cascavel e garantiu que as obras começariam no segundo semestre deste ano.

Pela prefeitura

O tráfego no viaduto, que faz ligação com as Ruas Olindo Periolo (Pacaembu) e Áustria (Jardim Presidente), foi liberado em agosto de 2017 mesmo sem as alças e a marginal. O investimento da obra foi de R$ 6,4 milhões. A travessia foi feita pela Prefeitura de Cascavel, mas o projeto não incluiu a ligação com a rodovia pelas alças de acesso.

Reportagem: Marina Kessler

Foto: Aílton Santos