Brasília – A deputada federal Tereza Cristina (DEM-MS), 64 anos, será a primeira mulher ministra do Governo Jair Bolsonaro. O próprio presidente eleito confirmou em sua rede social a indicação da deputada para o Ministério da Agricultura.

Conforme o deputado federal Alceu Moreira (MDB-RS), a pasta não será fundida com o Ministério do Meio Ambiente, cujo titular será escolhido pelo presidente eleito e "homologado" pela bancada ruralista. De acordo com Moreira, o ministro do Meio Ambiente terá "um perfil diferenciado".

A indicação de Tereza Cristina foi feita por um grupo de 20 integrantes da FPA (Frente Parlamentar Agropecuária), em reunião no CCBB (Centro Cultural do Banco do Brasil), em Brasília, onde funciona o gabinete de transição de governo. A bancada ruralista no Congresso Nacional reúne aproximadamente 260 parlamentares.

Engenheira agrônoma e empresária, Tereza Cristina é presidente da FPA e tem uma longa trajetória no setor. Ela foi secretária de Desenvolvimento Agrário da Produção, da Indústria, do Comércio e do Turismo de Mato Grosso do Sul durante o governo de André Puccinelli (MDB).

Jair Bolsonaro já confirmou os nomes de Paulo Guedes, para Economia; Sergio Moro, para Justiça; Onyx Lorenzoni, para Casa Civil; Marcos Pontes, para Ciência e Tecnologia; e o general Augusto Heleno, para o Gabinete de Segurança Institucional.

Trabalho

A polêmica de ontem ficou com a extinção do Ministério do Trabalho. "O Ministério do Trabalho vai ser incorporado a algum ministério", afirmou Bolsonaro.

Embaixadas

Jair Bolsonaro disse ainda que irá fechar as embaixadas que considerar ociosas e que procura um diplomata de carreira e sem viés ideológico para ser chanceler em seu governo. “Estamos buscando alguém que faça comércio e conduza essa parte que é importante sem viés ideológico, nem de direita nem de esquerda.”

Bolsonaro também disse que irá discutir se fechará ou não a embaixada da Palestina em Brasília, após ser questionado por jornalistas. “O problema é que ela está muito próxima ao Palácio do Planalto, nenhuma embaixada pode estar tão próxima assim do Presidente da República. Nenhuma, não ela [especificamente].”