Brasília – O Ministério da Saúde confirmou que mais de 130 milhões de brasileiros já tomaram ao menos uma dose da vacina contra a covid-19. ­­­A marca foi atingida nessa terça-feira (31) e significa que 81% da população adulta do País, com mais de 18 anos, já começou o ciclo vacinal.

Nesta semana, o Brasil também chegou à marca de 190 milhões de doses aplicadas desde o começo da campanha de vacinação. Mais de 61 milhões de brasileiros completaram o ciclo vacinal com as duas doses ou a vacina de dose única, o que representa 38% da população acima de 18 anos. “Nossa campanha de imunização já é um case de sucesso mundial. Até o final de outubro, toda a população brasileira adulta estará totalmente vacinada contra a covid-19”, afirmou o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga.

Mais de 233 milhões de doses já foram distribuídas aos estados segundo o Ministério.

Dose de reforço

A partir de 15 de setembro, idosos acima de 70 anos e pessoas imunossuprimidas receberão uma dose de reforço da vacina contra a covid-19. A recomendação vale para todas as vacinas e o reforço deve ser feito, preferencialmente, com a vacina da Pfizer/BioNTech.

Autorização emergencial

Os medicamentos usados para a intubação de pacientes com covid-19 continuarão com autorização emergencial até 13 de novembro. Em nota, a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) informou que a expansão da variante Delta do novo coronavírus, que pode tornar-se a variante dominante nos próximos meses no País, justificou a ação.

A Anvisa prorrogou por 60 dias a resolução que permite a fabricação das substâncias por meio de notificação, com análise posterior do registro pela diretoria do órgão.

Segundo o comunicado, o órgão decidiu agir preventivamente para evitar a falta dos medicamentos que estão no chamado kit intubação numa eventual terceira onda de casos.

“O cenário epidemiológico dos próximos meses é incerto, sendo preciso antecipar as medidas regulatórias necessárias ao seu enfrentamento”, argumentou o diretor da Anvisa relator da resolução, Alex Campos.

A medida vale para anestésicos, sedativos, bloqueadores neuromusculares e outros medicamentos hospitalares usados para manutenção da vida de pacientes. Com a autorização simplificada, as substâncias podem ser imediatamente fabricadas e prontamente fornecidas aos hospitais e clínicas de todo o Brasil.

O prazo acabaria em 14 de setembro. Desde março, os medicamentos do kit intubação seguem o modelo simplificado de produção e de distribuição. A resolução foi prorrogada duas vezes, uma em maio e outra em julho.