Covid-19: com situação melhor que esperado, olhos se voltam à ocupação de leitos

Todas as medidas preventivas e restritivas foram importantes

Cascavel – A desaceleração de casos da covid-19 nas últimas semanas deixa Cascavel em uma situação mais confortável, mas em alerta. O próprio secretário de Saúde, Thiago Stefanello, admite que o cenário é melhor do que o esperado. “Os números estão melhores do que estávamos prevendo. Nesse momento já era para estarmos com mais de 150 casos, temos 90. Iniciamos o estudo da situação e tomada de medidas de forma antecipada, estando um passo à frente, e isso foi nos permitindo conduzir a situação de forma a ter esses resultados bastante satisfatórios. Todas as medidas preventivas e restritivas foram importantes. O amadurecimento da população, o uso de máscaras, tudo ajudou a conter a situação”, ressalta.

Quando usar máscara de pano

Contudo, ele observa que, com a ampliação da testagem, com os exames sendo realizados no Laboratório Municipal mais os testes rápidos, o número de casos deve crescer e o critério para nortear novas ações restritivas será a taxa de ocupação dos leitos. “Estamos analisando as estatísticas semana a semana. Sabemos que o número de casos positivos pode crescer porque há maior testagem. O importante é manter uma baixa ocupação hospitalar. Nessa sexta-feira (8) estávamos com 18% dos 65 leitos de UTI [Unidade de Terapia Intensiva] destinados ao tratamento da covid-19 na região ocupados. Quando essa taxa chegar a 50%, é motivo de preocupação e o cenário deve ser reavaliado. E, quando chegar a 70%, ativa a necessidade de abrir novos leitos”, explica Thiago.

Esses novos leitos podem ser do Hospital de Retaguarda, que finaliza dez vagas de UTI, ou a ativação do Hospital de Campanha, que, segundo o secretário, já tem os equipamentos essenciais, mas só deve ser ativado se necessário. “Se um dia for necessário, estará pronto. Temos que saber otimizar equipamentos, EPIs [Equipamentos de Proteção Individual] e recursos humanos sem desperdício”, frisa.

Alerta para o frio

Stefanello reafirma a importância das medidas de proteção recomendadas e alerta para o agravamento da situação com a chegada do frio. “Não podemos relaxar e perder tudo o que fizemos. As doenças respiratórias costumam agravar no inverno, podem trazer muita confusão em relação à covid… é importante manter o distanciamento social por mais tempo”, completa.

 

Mosquito da dengue nas áreas externas


Fale com a Redação

2 × 1 =