Curitiba – O número de casos de covid-19 segue em patamar muito elevado no Paraná, mas o Informe Epidemiológico da Secretaria de Estado da Saúde de domingo (4) conformou queda pela quarta semana consecutiva. É a primeira vez em um mês que os casos estão distantes de 30 mil por semana. O balanço leva em consideração os dias das confirmações, não a divulgação. Restrições adotadas pelo governo do Estado e pelas prefeituras foram cruciais para conter o vírus.

A nona semana epidemiológica de 2021 foi de 28 de fevereiro a 6 de março. No período, foram registrados 37.831 casos, maior patamar desde dezembro de 2020 no Paraná. Na semana 10 (de 7 a 13 de março), foram registrados 35.647 casos; 34.122 casos na semana 11 (14 a 20 de março), 29.585 na semana 12 (21 a 27 de março) e 15.478 casos na semana 13 (28 de março a 3 de abril).

É o reflexo de quedas nas quatro macrorregionais de Saúde. Na Leste, houve diminuição entre as semanas epidemiológicas 11 e 13, com diferença em torno de 8 mil casos, enquanto na Oeste, na Noroeste e na Norte, as quedas vêm desde a semana 9 (fim de fevereiro e começo de março). Na Macrorregional Oeste, a diferença foi de 8 mil casos entre a semana 9 e a semana 13. Na Noroeste, de 5 mil casos.

Segundo o secretário estadual de Saúde, Beto Preto, os números apontam para uma realidade dos últimos dias que ajuda a embasar as decisões do governo do Estado. No entanto, ele destacou que a ocupação de leitos de UTI e de enfermaria segue muito alta, resultado de contaminações que ocorreram nos últimos meses, e que março foi o pior mês da pandemia no Paraná, com mais de 140 mil casos e 4 mil óbitos.

 

Média móvel

A média móvel de casos por data de diagnóstico no Estado confirma a tendência de queda na contaminação por coronavírus, apesar da circulação de variantes mais contagiosas e agressivas, como a amazônica, e do aumento da positividade dos exames. Em 3 de abril, a média móvel de sete dias estava em 2.211 novos casos diariamente, número 54,6% inferior à média de 14 dias atrás.

 

Óbitos

A 13ª semana epidemiológica também foi a segunda desde janeiro a apresentar decréscimo no número de óbitos. Segundo o relatório, as semanas 10, 11 e 12 tiveram o maior pico do período: foram 1.161 óbitos,1.206 e 998, respectivamente.

Apesar da redução, a 13ª semana ainda está entre as cinco com os índices mais altos dos últimos seis meses, que correspondem exatamente às semanas 9 a 13 de 2021.

A média móvel de óbitos de sete dias também aponta redução. Em 3 de abril, a média era de 83 óbitos por dia no Estado, 51,7% menor que a média de duas semanas atrás.

Foz também percebe redução

Uma das cidades com mais casos e mortes no Estado, em Foz do Iguaçu a pandemia também começa a dar sinais de recuo. Ontem, 42 casos foram confirmados na cidade. No total, são 32.085 infectados desde o início da pandemia, dos quais 30.978 são considerados recuperados.

Dos casos confirmados ontem, dois estão internados e 40 em isolamento domiciliar. Dos casos ativos em Foz, 270 pessoas estão em isolamento domiciliar, com sinais e sintomas leves, e 160 internadas.

A média móvel de casos em Foz do Iguaçu, nos últimos sete dias até esta segunda-feira, está em 64,43 por dia, uma redução de 50% na comparação com a média móvel de 14 dias atrás.

Os dados são um indicativo de que as medidas adotadas pela prefeitura para conter a transmissão do coronavírus, como os três lockdowns nas três primeiras semanas de março, foram efetivas.

Mortes

O número de internamentos e de mortes pela covid-19 ainda é preocupante. Nessa segunda-feira, foram registradas seis mortes em consequência da covid-19, de duas mulheres, de 63 e 64 anos, e quatro homens, de 59, 61, 63 e 70 anos. Foz registra 677 mortes pela doença desde o início da pandemia.


Boletim confirma mais 1.436 casos e 106 mortes de covid-19

 

A Secretaria de Estado da Saúde divulgou nessa segunda-feira (5) mais 1.436 casos confirmados e 106 mortes em decorrência da infecção causada pelo novo coronavírus.

Os dados acumulados do monitoramento da covid-19 mostram que o Paraná soma 855.047 casos confirmados e 17.288 mortos em decorrência da doença.

Os casos confirmados divulgados ontem são de abril (1.058), março (327), fevereiro (18) e janeiro (2) de 2021 e o restante de 2020.

Apesar da redução dos casos, o Paraná ainda enfrenta superlotação dos hospitais. Ontem, havia 5.268 internados em alas exclusivas para tratar covid-19, dos quais 2.200 em UTIs.

Contudo, a fila de espera por leitos caiu consideravelmente, e ontem eram 522 pessoas, das quais 328 aguardando uma UTI.

Em contrapartida, o Paraná registrou o maior número de casos ativos: 232.714 pessoas com capacidade de transmitir o vírus.

Das 106 mortes, 45 são mulheres e 61 homens, com idades que variam de 18 a 89 anos. Um óbito ocorreu em dezembro de 2020 e os demais de 23 de fevereiro a 5 de abril de 2021.

A média móvel de sete dias chegou a 75, ontem, o menor registro desde o início do mês, e com queda de 56,3% em comparação com 14 dias atrás.