Apesar de uma realidade concreta, as redes sociais ainda são vistas com desconfiança por uma boa parte da população. Porém, os jovens podem encontrar nela uma forma de difundir seus conhecimentos, o que vai de um graduando de jornalismo a um jovem chef de cozinha, ou então quem cursa faculdade de nutrição, biologia e outros. As possibilidades são infinitas.

O grande número de redes sociais disponíveis apresenta diferentes formatos e propósitos. O Facebook por exemplo é mais voltado para a interação entre as pessoas, o Instagram é uma plataforma de divulgação de imagens e o Youtube é propício à criação de conteúdo, para citar apenas alguns exemplos.

Atualmente, o Youtube tem funcionado como base para opiniões, documentários e canais de conteúdo dos mais diversos tipos, como é o caso da nutrição. A principal preocupação que o público deve ter é sobre a qualidade daquilo que se consome, pois as fake news também ganharam muito espaço nesse contexto.

Dentre as infinitas opções que a plataforma apresenta, vale prestar atenção em quem está produzindo aquele conteúdo, e para quem busca se informar sobre nutrição pode conferir o canal feito pela equipe de pesquisadores da Faculdade de Medicina da Usp que produz vídeos informativos desde 2013 sobre o tema da nutrição.

Em artigo publicado na Revista de Nutrição, espaço onde se apresentam artigos acadêmicos e pesquisas de tendência da área, com o título “Vídeos educativos com abordagem nutricional no YouTube” fica clara a dimensão que esses vídeos tomaram, com um total 80 mil acessos no intervalo que durou o estudo e mais de 200 mil acessos diários que visam consumir esse conteúdo.

Então, o Youtube pode sim trazer belas dicas nutricionais para todas as pessoas, é importante ficar atento aos responsáveis na propagação daquelas informações mas elas comportam um cardápio cheio de boas opções.