Com estiagem e rodízio em várias cidades, Sanepar cria campanha para o uso racional da água

No oeste a situação mais crítica está em Medianeira

Começou a circular, nesta quinta-feira (23), uma campanha de uso racional da água para estimular a população a economizar diante deste cenário de estiagem que tem assolado todo o Paraná.

Quando usar máscara de pano

Veiculado em rede de TV, rádios, portais dos jornais e mídias sociais, o vídeo chama a atenção da população para a grave escassez de chuva e pede a colaboração para que a população priorize a água para alimentação e higiene pessoal.

Segundo o Simepar (Sistema de Tecnologia e Monitoramento Ambiental do Paraná), a baixa precipitação pluviométrica já dura dez meses. Nove das maiores cidades paranaenses, de quase todas as regiões do Estado, tiveram chuvas bem abaixo da média histórica entre junho de 2019 e março de 2020.

Houve uma redução média na precipitação de 33% no conjunto de municípios formado por Curitiba, Ponta Grossa (Campos Gerais), Guarapuava (Centro), Maringá (Noroeste), Londrina (Norte), Foz do Iguaçu (Oeste), Cascavel (Oeste), Guaratuba (Litoral) e Umuarama (Noroeste).

O impacto imediato tem sido nos sistemas de abastecimento de água. Rios, poços, minas e córregos estão perdendo vazão, principalmente na Região Metropolitana de Curitiba e no Oeste do Estado. Já estão com sistema de rodízio a Região Metropolitana de Curitiba, Medianeira e, a partir desta sexta-feira (24), a cidade de Palmeira, no Centro-Sul.

Situação crítica no oeste 

No Oeste do Estado, a situação mais crítica está em Medianeira. Os poços e o Rio Alegria que abastecem aos moradores da cidade já perderam 40% de vazão. Em Cascavel, onde as chuvas também estão bem abaixo da média, o sistema também já começa a sentir a falta de chuvas e, desde quarta-feira (22), a Sanepar voltou a utilizar água do Lago Municipal. Francisco Beltrão está em risco de entrar em rodízio. Outros sistemas estão tendo complemento com caminhões-pipa. Em Pranchita e Santo Antonio do Sudoeste, houve queda de 50% na vazão dos poços.

Curitiba

Na capital, a média mensal de chuvas para março é, desde 1998, de 127 milímetros. Mas neste ano, choveu apenas 12 mm em março (menos de 10% da média). Em abril, também o nível de precipitação já está 22% abaixo da média histórica para este mês.

O Rio Miringuava, que abastece Curitiba e 12 cidades do entorno, perdeu 60% do volume de água. O nível médio das barragens do Iraí, Passaúna e Piraquara 1 e 2, do Sistema Abastecimento Integrado de Curitiba, está em 60%. Os mananciais que abastecem as cidades de Almirante Tamandaré, Rio Negro, Fazenda Rio Grande e Colombo também estão com níveis preocupantes.

Em março de 2020, na Região Metropolitana, o consumo de água foi 6,25% maior do que março de 2019, o que equivale a um aumento médio de quase 47 milhões de litros de água tratada por dia, o que equivale ao gasto diário de 300 mil pessoas.

NORTE – Em Quatiguá e Siqueira Campos, os mananciais e poços também tiveram queda de 50% na vazão. O reforço no abastecimento está sendo feito com caminhões pipas de sistemas vizinhos.

Mosquito da dengue nas áreas externas


Fale com a Redação

seis + 7 =