Brasília – O presidente Jair Bolsonaro confirmou nessa quinta-feira que o governo federal vai encerrar em outubro o pagamento do auxílio emergencial concedido por causa da pandemia de covid-19, com o início do pagamento do novo programa social, Auxílio Brasil, a partir de novembro.

O governo renovou em julho o auxílio emergencial por mais três meses -agosto, setembro e outubro – e lançou nesta semana o Auxílio Brasil, programa que vai substituir o Bolsa Família.

“Obviamente esses três meses terminam quando nós teremos então o novo programa Auxílio Brasil, onde, segundo acertado pela equipe econômica, o reajuste será de no mínimo 50% do que se paga no Bolsa Família atualmente”, disse Bolsonaro em pronunciamento no Palácio do Planalto.

O auxílio emergencial foi lançado originalmente no ano passado com o valor mensal de R$ 600, sendo posteriormente reduzido para R$ 300. O valor atual médio do auxílio é de R$ 230.

 

Antecipação

O presidente Bolsonaro também anunciou a antecipação do pagamento das próximas três parcelas do auxílio emergencial, que começa a partir do próximo dia 18 para os beneficiários do Bolsa Família.

O auxílio emergencial acabaria em julho, mas foi prorrogado por mais três meses (quinta, sexta e sétima rodadas) em 2021. O pagamento, portanto, vai até outubro. O restante do calendário será definido de acordo com a data de nascimento dos cadastrados, que receberão o benefício da quinta rodada até o fim do mês, conforme explicou o presidente da Caixa, Pedro Guimarães.

A Caixa continuará efetuando o pagamento primeiro com crédito em conta e, depois, com a liberação do saque em dinheiro. O banco esclareceu que não haverá novo cadastro. Os beneficiários que já receberam as parcelas anteriores e que cumprem os requisitos vão receber as parcelas extras.

Os valores também permanecem os mesmos: R$ 150 (beneficiários de famílias com um único integrante), R$ 250 (beneficiários de famílias com dois ou mais membros) e R$ 375 (beneficiários de famílias chefiadas pelas mulheres). Segundo o ministro da Cidadania, João Roma, o custo da extensão do programa foi de mais de R$ 20 bilhões.

Assim, para os beneficiários do Bolsa Família, o pagamento das parcelas extras será pelo número final do cartão do beneficiário. O NIS terminado em 1 receberá a 5ª parcela no dia 18 de agosto, a 6ª parcela em 17 de setembro e, a sétima e última, dia 18 de outubro. Cada NIS seguinte pula um dia a partir desse calendário, até 31 de agosto para o NIS 0.

Já para o público geral, os nascidos em janeiro recebem dias 20 de agosto, 21 de setembro e 20 de outubro, respectivamente, a quinta, a sexta e a sétima parcelas. O calendário segue pulando um dia para cada mês, até chega a 31 de agosto para os nascidos em dezembro.