Embalada pelo resultado do PIB do primeiro trimestre, que cresceu 1,2%, a Bolsa brasileira (B3) encerrou em alta de 1,63%, aos 128.267,05 pontos nessa terça-feira (1º), batendo, pela terceira vez consecutiva, recorde de fechamento. No câmbio, o dólar recuou 1,51%, a R$ 5,1460, menor valor desde 21 de dezembro, também apoiado pelo resultado favorável, que promoveu uma onda de reajustes nas projeções para a economia brasileira.

Renovada pela manhã e também no fim da sessão, a nova máxima histórica intradia passa agora a 128.363,49 pontos. No ano, o Ibovespa acumula ganho de 7,7%. Ontem, o índice saltou facilmente do patamar dos 126,2 mil pontos alcançados ontem, quando também quebrou recorde de fechamento. Esse foi o quinto encerramento em alta consecutivo da Bolsa.

No ano, o dólar, que acumulava alta até ontem, passou a cair 0,82% – ontem, a divisa para julho recuou 1,31%, a R$ 5,1630. Diante do resultado, o Bank Of America melhorou a previsão para a moeda, de R$ 5,40 para R$ 5,20 em dezembro. Para 2022, a estimativa foi mantida em R$ 5,40, por conta do risco de a eleição presidencial provocar aumento dos ruídos políticos e maior nervosismo no mercado financeiro.