Até secretário cobra portas abertas do HU

A recusa no encaminhamento de pacientes socorridos pelos serviços de urgência e emergência pelo HU foi parar na polícia

Reportagem: Josimar Bagatoli

Cascavel – Em Cascavel essa semana, o secretário de Saúde do Estado, Beto Preto, reconheceu os problemas no HU (Hospital Universitário) de Cascavel, especialmente a dificuldade no acesso de pacientes para atendimento médico. Ele ressaltou que o HU deve ser portas abertas, o que não está acontecendo, conforme o próprio secretário. “Temos profissionais de qualidade e disposição para trabalhar. Esse acúmulo deve ser respeitado. Sou médico, respeito meus colegas médicos, e reitero: peço que eles façam mais pela população… têm feito, mas temos que melhorar o acesso ao HU de Cascavel… acesso das pessoas que precisam de tratamentos que em determinados momentos têm encontrado as portas fechadas, dificultado o acesso”.

Calamidade

O prefeito Leonaldo Paranhos (PSC) também cobrou do Estado um posicionamento para que o fluxo de pacientes de média e alta complexidades não criem gargalos nas UPAs. “O HU é sempre um problema. A falta de investimentos no HU e diria até a falta de uma gestão diferenciada que tem trazido problemas à saúde. Estou investindo o que é de responsabilidade do Município – saúde primária, atenção básica… Esse gargalo na média e na alta complexidade é o que nos traz tantas dificuldades. Temos desgastes nas nossas funções com aquilo que não é de nossa responsabilidade”, afirma Paranhos.

O problema, segundo ele, é essa dificuldade no acesso dos pacientes ao HU. “Tem que ser portas abertas. Não adianta levarmos uma pessoa com média e alta complexidade à UPA. Gastamos medicamentos e serviços da saúde primária em alta complexidade. Pacientes ficam esperando 20 dias um leito têm um custo grande ao Município. Além do custo financeiro, é falta de humanização. Queremos que a alta complexidade funcione de portas abertas”.

Vereador registra BO contra o HU

A recusa no encaminhamento de pacientes socorridos pelos serviços de urgência e emergência pelo HU foi parar na polícia na manhã dessa sexta-feira (6). Após reunião da Comissão Permanente de Saúde da Câmara de Vereadores, Jorge Bocasanta (Pros) foi até a 15ª Subdivisão Policial para registrar queixa contra a direção do HU em função dos encaminhamentos de pacientes com fratura à UPA. Os casos deveriam ser levados diretamente para o pronto-socorro do HU.

Em reunião recente com a direção da 10ª Regional, o hospital informou que atende normalmente os pacientes pelo pronto-socorro, que até então estava em obras. Porém, os vereadores recebem diariamente denúncias de que o serviço não vem sendo prestado adequadamente pelo HU, inclusive, pacientes ficam dias na UPA à espera de leitos.

Outro lado

Em nota, o HU informou que ainda não havia sido notificado sobre a denúncia do vereador Jorge Bocasanta. Diz que a direção do HU atende pela Central do Complexo Regulador, cumprindo a legislação vigente do Ministério da Saúde e resoluções do Conselho Federal de Medicina. “O HU esclarece que, no complexo regulador, o Samu 192 tem suporte avançado de vida e UTIs móveis para os primeiros procedimentos de urgência de modo a garantir a vida, acionando quando necessário a prerrogativa vaga zero, ou seja, encaminha o paciente para o Hospital para cirurgias de urgência e emergência”.

A nota conclui que o HU está com 100% de ocupação de suas vagas, “mas caso chegue um paciente com risco iminente de morte, na prerrogativa vaga zero, será prontamente atendido e encaminhado à cirurgia”.

 



Fale com a Redação

um × cinco =