IPVA, IPTU, material escolar, faturas do cartão de crédito com os gastos do Natal e Ano Novo, além de alguns “exageros” durante as férias e recessos… Esse é o quadro mais que “natural” do brasileiro todo começo de ano. E aí, outro problema muito conhecido e de difícil solução se instala: contas no vermelho! Por isso, o consumidor que estiver pensando em contrair empréstimos deve fazer bem as contas dos gastos no orçamento, porque o crédito vai ficar cada vez mais caro, alertam especialistas. Devido à inflação mais forte, a taxa básica de juros, a Selic, que começou 2021 em 2% ao ano, encerrou dezembro em 9,25%, e deverá continuar subindo e ficar acima de dois dígitos pela primeira vez desde maio de 2017.

Logo, comprar a prazo, desde uma simples roupa até a casa própria terá um custo maior ao longo deste novo ano. O mercado de crédito encerrou 2021 com crescimento de 13,9%, pelas estimativas mais recentes da Febraban (Federação Brasileira de Bancos). Em relação a 2022, a entidade previa expansão de 7,3%, mas reduziu a projeção para 6,7% em levantamento divulgado nesta semana. De acordo com a Febraban, a nova previsão está em “linha com a redução, pelo Banco Central, das estimativas de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) em 2022, de 2,1% para 1%, “e também decorre da elevada base de comparação forte e surpreendente expansão em 2021”.

Em entrevista ao Correio Braziliense, Frederico Gomes, professor de economia do Ibmec-DF, reforça que os juros dos financiamentos, inclusive o da casa própria, devem ficar mais caros neste ano, contribuindo para limitar o crescimento econômico. “O aumento da taxa básica encarece também o custo de captação dos bancos e isso tende a ser repassado para a taxa cobrada do tomador final”, explica. “Já estamos observando uma desaceleração na concessão de crédito e isso deve se acentuar, mesmo porque o Banco Central já deu indicações firmes de que o ciclo de alta de juros ainda não terminou”, afirma.

Por isso mesmo, o velho e bom conselho da sabedoria popular precisa ser observado com muita atenção: “Em Terra de cego, quem tem um olho é rei”. Num país que não tem a cultura do planejamento e da organização para alcançar objetivos, alerta uma educadora financeira, aquele que estiver disposto a agir desta forma planejada e organizada terá grande êxito. Portanto, não deixe de fazer contas, se organizar e planejar em 2022!