Com o novo sistema de transporte, não só as avenidas Brasil, Tancredo Neves e Barão do Rio Branco receberão pontos de ônibus modernos e arrojados em Cascavel.

Conforme a Cettrans (Companhia de Engenharia de Transporte e Trânsito), 871 novas paradas de embarque e desembarque, com cobertura, serão instaladas por toda a cidade.

Elas substituirão parte das atuais estruturas e também serão implantadas no traçado das novas linhas que surgirão após o início das operações do BRQ (Bus Rapid Quality – Ônibus Rápido com Qualidade), bem como nas atualizações dos atuais itinerários que já estão em desenvolvimento na Cettrans para atender a nova configuração do sistema de transporte público.

O BRQ tem até a primeira quinzena de novembro para estar funcionando, conforme informado pelo prefeito Leonaldo Paranhos na semana passada, em coletiva de imprensa, na Prefeitura de Cascavel.

Já era previsto

Segundo o presidente da companhia de trânsito, Alsir Pelissaro, com ou sem o novo sistema de transporte, ele já havia solicitado ao prefeito Leonaldo Paranhos os novos abrigos aos passageiros. “A população sempre pede para nós fazermos a adequação e instalação de novas paradas. Daí questionei o prefeito: ‘Por que não criar um novo padrão de pontos com conforto e qualidade?’”. A partir disso o Planejamento e Cettrans se uniram com o prefeito para fechar um projeto.

Segundo Pelissaro, serão três padrões de pontos, um para cada demanda. Inicialmente, a previsão era de 1,3 mil pontos, mas os novos estudos apontaram a necessidade de 871 abrigos.

Investimento

A presidência da Cettrans informou que o dinheiro para o investimento deve vir do Governo Federal, por meio do Programa Avançar Cidades, que destina recursos para atender as necessidades de mobilidade urbana. Dentro dele está incluso essa questão de reforma, adequação e instalação de novos abrigos para os pontos de ônibus. Ainda não há confirmação dos recursos, mas a prefeitura está buscando o apoio federal para o projeto.

Enquanto não se define os recursos, não há como prever uma data para o início da implantação dos abrigos. Alsir Pelissaro lembra que, se até a operação do BRQ os novos abrigos não estiverem à disposição, as atuais estruturas dos pontos de ônibus serão remanejadas conforme necessidade de cada linha implantada.