Curitiba – Dia 30 de novembro é o prazo limite para as empresas realizarem o pagamento da primeira parcela do 13º salário. Esse dinheiro extra no bolso dos trabalhadores deve injetar R$ 232,6 bilhões na economia brasileira segundo estimativa do Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos). Sondagem da Fecomércio PR (Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Paraná) revela que os paranaenses vão utilizar o abono principalmente para o pagamento de dívidas (43,5%) e para fazer uma reserva ou investimento financeiro (42,3%).

A compra de presentes ficou como terceira opção, com 30,1%. Essa remuneração adicional também será utilizada para o pagamento de impostos e taxas, com 28% das menções. Como a questão era de múltipla escolha, os entrevistados poderiam mencionar mais de uma resposta. Observa-se uma mudança na destinação do 13º salário nos últimos anos.

Em 2019, período pré-pandemia, a preocupação era o pagamento das dívidas, seguido da necessidade de guardar parte do valor para imprevistos orçamentários. Já em 2020, os consumidores estavam bastante cautelosos, devido às incertezas trazidas pela pandemia, vacinação e economia do país, preferindo guardar grande parte do 13º salário para eventuais necessidades. Já este ano, com o avanço da vacinação e a pandemia ficando um pouco mais amena, os consumidores vão dividir o abono entre o pagamento de dívidas e reserva financeira, deixando uma parcela menor para compras de presentes, pagamento de impostos e lazer.