O lançamento oficial do Vila A Inteligente, realizado nesta sexta-feira (16), consolida a primeira fase do projeto, na qual já foram instaladas tecnologias como semáforos e pontos de ônibus inteligentes, e câmeras com reconhecimento facial e de placas, e prepara a iniciativa para a segunda fase. Agora, empresas de todo o País podem se inscrever para testar e validar suas tecnologias no primeiro bairro público inteligente do Brasil.

“Este momento representa a concretização de um conceito. Foz do Iguaçu já é reconhecida por receber muitos turistas e seremos também uma cidade que abraça a inovação e a tecnologia. Reafirmamos o nosso compromisso com esse setor, ouvindo sugestões e, claro, entregando resultados”, afirmou o prefeito Chico Brasileiro.

Segundo o prefeito, o principal objetivo é melhorar a qualidade de vida da população. É por isso que as tecnologias hoje instaladas no Vila A Inteligente serão cada vez mais integradas às secretarias municipais a fim de melhorar os serviços oferecidos aos cidadãos.

No Centro de Controle e Operações (CCO), instalado na Concha Acústica do Gramadão, são monitoradas todas as tecnologias disponíveis no projeto e está sendo criada uma base de dados que será incorporada às informações da prefeitura, para proporcionar uma série de melhorias em áreas como segurança pública e mobilidade.

O Vila A Inteligente é promovido em uma parceria entre a Itaipu Binacional, Parque Tecnológico Itaipu (PTI), Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI) e Prefeitura de Foz do Iguaçu.

Relevância nacional

O lançamento do projeto contou com a participação do secretário de Empreendedorismo e Inovação do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações, Paulo Cesar Alvim, que frisou a relevância nacional dessa marca.

“Falamos de um momento histórico para o Brasil, pois esse é o primeiro ambiente público para testagem de tecnologias. Temos um exemplo para todo o Brasil de como podemos empreender e inovar, com a ajuda de universidades, governos e setores empresariais, como foi em Foz”, salientou Alvim.

O general João Francisco Ferreira, diretor-geral brasileiro da Itaipu Binacional, lembrou que Foz do Iguaçu já possui um histórico de receber grandes tecnologias, como a construção da usina, que representou uma nova fase para a cidade. “Foi um projeto de engenharia até impensável para aquela época, mas que foi construída e, desde então, gera grandes resultados. É uma grande alegria participar de um projeto com tantos parceiros motivados e cooperativos. Estamos unidos para buscar os mesmos objetivos”, contou o general.

Para o diretor superintendente do Parque Tecnológico Itaipu, general Eduardo Garrido, a força da união entre os parceiros foi primordial para o lançamento e sucesso da primeira etapa deste projeto. “Temos parceiros que enxergaram conosco todo o potencial dessa cidade, para que fosse colocado em prática a nossa missão de gerar desenvolvimento, ciência, inovação e negócios. São modelos testados, validados e com garantia de funcionamento para a população”, garantiu Garrido.

Novas capacidades

O ambiente livre de regulação, como é bairro Vila A, no chamado modelo sandbox, permite a criação de projetos em diversas áreas, conforme relata o presidente da ABDI, Igor Calvet.

“Por conta das câmeras de reconhecimento facial muito se fala das melhorias em segurança pública. Mas não se limita a isso e abrange também setores de meio ambiente, trânsito, mobilidade urbana e pontos de testes, que se feitos da forma correta podem chegar a outros bairros”, destacou Calvet.

Smart Vitrine

Com o lançamento oficial das tecnologias, os esforços já voltam para a segunda fase do projeto, na qual empresas de todo o País poderão vir para Foz do Iguaçu testar tecnologias por meio do edital Smart Vitrine. As primeiras propostas serão recebidas até o dia 1º de agosto e as vencedoras serão anunciadas no dia 24 de agosto.

A chegada dessas empresas será possível também pela participação da Prefeitura na criação de leis e decretos que facilitam esses procedimentos. Em 2017, o prefeito Chico Brasileiro regulamentou a “Lei de Inovação”, que criou um ambiente favorável e desburocratizado para atrair negócios para a cidade, além de conceder benefícios fiscais para a instalação desses empreendimentos.

Para complementar a lei e possibilitar um incentivo ainda maior para a instalação de novas empresas em Foz do Iguaçu, foi publicado o decreto nº 28.244/2020, que permite a seleção de empresas com o foco em Smart Cities.

Fotos: Christian Rizzi/PMFI