Vídeo: De palavrões a pedidos de prisão, reunião teve de tudo

Em resposta ao que foi divulgado do vídeo, Bolsonaro afirmou que não disse as palavras "Polícia Federal", "superintendente" e "investigação" durante o encontro

Brasília – No vídeo da reunião do conselho de ministros do último dia 22 de abril, exibido ontem a investigadores da Polícia Federal, o presidente Jair Bolsonaro defendeu trocas no comando da Polícia Federal do Rio de Janeiro para evitar que familiares e amigos seus fossem “prejudicados” por investigações em curso.

Segundo o relato de três fontes que assistiram ao vídeo, Bolsonaro disse que gostaria de substituir o superintendente da Polícia Federal do Rio e que demitiria até mesmo o então ministro da Justiça Sergio Moro caso não pudesse fazer isso. Ao deixar o cargo, Moro acusou o presidente de interferir politicamente na PF e, em inquérito aberto para investigar suas acusações, o ex-ministro citou essa reunião, informando que ela havia sido gravada.

Em resposta ao que foi divulgado do vídeo, Bolsonaro afirmou que não disse as palavras “Polícia Federal”, “superintendente” e “investigação” durante o encontro.

Segundo fontes que assistiram ao vídeo, Bolsonaro afirma durante a reunião que precisava “saber das coisas” que estavam ocorrendo na Polícia Federal do Rio e cita que investigações em andamento não poderiam “prejudicar a minha família” nem “meus amigos”. Sob esses argumentos, o presidente afirma que trocaria o superintendente do Rio, o diretor-geral da PF ou até mesmo o ministro da Justiça, para garantir ter acesso a informações e que pessoas próximas não seriam prejudicadas.

De fato, o presidente não fala em Polícia Federal. Ele fez essa referência à Superintendência da PF usando o termo “segurança” quando discursou sobre a necessidade de proteger familiares de eventual perseguição ou ameaças no Rio, sem entrar em detalhes sobre os motivos da preocupação. Segundo os relatos, o presidente citou que já havia tentado substituir o “segurança” no Rio, e que finalmente efetivaria essa substituição. Na mesma fala, Bolsonaro teria dito que, caso não pudesse trocar o “segurança” no Rio, trocaria o diretor-geral ou o próprio ministro.

Na avaliação de investigadores, o presidente confirmou expressamente que trocaria postos-chave da Polícia Federal em troca de indicar uma pessoa de sua confiança que garantisse acesso a informações sobre investigações contra familiares e pessoas próximas.

Palavrões e prisões

A reunião ministerial teve xingamentos do mandatário e de seus ministros a desafetos políticos e a ministros do STF (Supremo Tribunal Federal). Bolsonaro chamou de “bosta” o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), e de “estrume” as autoridades do Governo do Rio de Janeiro, comandado por Wilson Witzel (PSC).

Em outro momento, o ministro da Educação, Abraham Weintraub, disse que ministros do STF tinham de ir para a cadeia.

Já a ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos, Damares Alves, defendeu a prisão de prefeitos e governadores. A assessoria de imprensa da ministra confirmou as falas, mas ressaltou que elas se referem à defesa dos direitos humanos, e que Damares defende a prisão para os governantes que desrespeitarem os direitos humanos, não adotarem o isolamento nas ruas, comerciantes algemados e agressão a idosos e prefeitos e governadores que desviarem verbas e cestas básicas.

E agora

O vídeo tem aproximadamente duas horas. Sergio Moro e os demais presentes tiveram que permanecer sem celular durante a exibição.

O ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Celso de Mello determinou que a perícia da PF transcreva integralmente as declarações do vídeo, para depois decidir sobre sua divulgação.

Após a exibição do vídeo da reunião ministerial, a defesa do ex-ministro Sergio Moro declarou que o registro audiovisual “confirma integralmente as declarações” do ex-ministro e defendeu que o vídeo seja divulgado integralmente.

O vídeo foi exibido sob forte esquema de segurança em um ato único realizado nessa terça-feira no INC (Instituto Nacional de Criminalística), sede da perícia da Polícia Federal em Brasília. Sergio Moro compareceu pessoalmente para assistir o vídeo, acompanhado de seus advogados. Também estavam presentes policiais federais, procuradores da equipe da Procuradoria-Geral da República e integrantes da AGU (Advocacia-Geral da União), responsáveis pela defesa de Bolsonaro. Todos tiveram que deixar os telefones celulares do lado de fora da sala.

 

 

 


Receba as principais notícias através do WhatsApp

ENTRAR NO GRUPO

Lembre-se: as regras de privacidade dos grupos são definidas pelo Whatsapp. Ao entrar seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.


Fale com a Redação