Foz do Iguaçu – Os vereadores de Foz do Iguaçu receberam a secretária municipal de Saúde, Kátia Uchimura, equipe técnica e diretores para saber das ações implantadas nos últimos cinco meses e debater propostas como agilidade e humanização do atendimento aos pacientes. Houve avanços em alguns setores, mas a secretaria enfrenta dificuldades com falta de profissionais para ampliar os programas na rede básica e agilizar serviços na área de especialidades. Uma das propostas com um novo sistema de geoprocessamento é um redimensionamento dos distritos para redistribuição do atendimento por área de abrangência.

“Tivemos a oportunidade de apresentar todas as ações que estão sendo desenvolvidas e os principais problemas que demandam uma atuação mais imediata como a falta de pessoal e outras situações que impactam diretamente na qualidade dos nossos serviços”, afirmou a secretária.

Kátia Uchimura ressaltou que o diálogo com a Câmara é muito produtivo no sentido de ajudar para que o setor consiga implantar as ações.

De acordo com a secretária, em relação ao que vinha ocorrendo em anos anteriores, houve avanços na atenção básica quanto às estruturas para dar melhores condições de trabalho no atendimento à população. “Não chegamos ao ideal. Temos muito ainda a caminhar, mas alcançamos grandes avanços considerando o estágio em que iniciamos o trabalho. Também conquistamos melhorias nas consultas com especialistas e cirurgias eletivas. Avançamos muito nesse sentido. A urgência e emergência também tem se desenvolvido”, completou Katia.

Integração com a Câmara

O presidente da Câmara, Rogério Quadros, coordenou os debates ao lado dos demais vereadores. “Foi mais uma das nossas reuniões de trabalho aqui na Câmara. Houve uma participação muito ativa dos vereadores com diversos apontamentos e buscando das equipes as respostas para as reivindicações que recebem no contato diário com a população”, registrou.

Segundo ele, foram sanadas várias dúvidas. “Vemos que a secretaria está no caminho certo, sendo essa integração com a Câmara fundamental. Sabemos que a demanda é grande na saúde, mas o importante é que está havendo um trabalho integrado na busca das soluções”.

Na oportunidade também foi discutida a aplicação das emendas impositivas, já que a partir do próximo mês os vereadores começam a definir as áreas da saúde para onde vão destinar a metade dos valores das emendas ao orçamento municipal do próximo ano.

Reivindicações da comunidade

Vários questionamentos foram levantados pelo vereador Celino Fertrin, vice-presidente da Câmara. “São usuários que nos procuram porque não têm o atendimento esperado na unidade básica de saúde. Eles acabam procurando o vereador para apresentar as queixas. Levantamos, por exemplo, o caso de uma receita para medicação controlada, paciente em tratamento contínuo, que poderia ser feita apenas uma troca de receita. Vimos aqui e isso teve o compromisso da secretária em resolver que muitas vezes é de orientação e protocolo, forma de proceder em todas as unidades que precisa ser padronizada. Cada uma estava fazendo a seu modo”, comentou Celino.

João Miranda, Adenildo Kako e João Sabino também apresentaram reivindicações da comunidade, como melhorias das estruturas, equipamentos fundamentais como autoclaves, serviço de odontologia, horário de funcionamento das farmácias das unidades, modernização e agilidade para consultas com especialistas e cirurgias eletivas, além de capacitação e treinamento das equipes da linha de frente do atendimento como a recepção das unidades de saúde.