Vendedor de motocicleta e instrutor de pilotagem conta como acidente mudou o rumo da vida

"Porque eu percebi o risco, continuo vivo e voltei para minha família", relata vítima de acidente de trânsito

Depois de sete cirurgias no tornozelo, José Rogério Duarte de Oliveira ainda não conseguiu se livrar das muletas, mas tem fé que elas são temporárias. Contudo, as marcas de um acidente que quase lhe custou a vida depois de um dia de trabalho, dois anos atrás, ficarão para sempre.

Quando usar máscara de pano

Um veículo invadiu a marginal da rodovia BR-277, colidindo com a moto que ele conduzia, jogando-o na contramão, fazendo com que fosse atropelado pelo carro que vinha na pista contrária. Não fosse os equipamentos de segurança que usava, poderia ter morrido na hora.

José Rogério trabalhava como vendedor de motocicletas e era instrutor de pilotagem e, de repente, se viu vivendo a situação que sempre orientava a evitar. “Graças a Deus percebi o risco, estava protegido, continuo vivo, e voltei para a minha família”, conta o personagem desta quinta-feira (7) do Maio Amarelo em depoimento para a campanha que está sendo realizada pelas redes sociais como forma de conscientizar para um trânsito mais humanizado e seguro.

Ele enfatiza o tema da campanha, “Perceba o risco, proteja a vida” justamente para alertar para a necessidade de uso dos equipamentos de segurança na motocicleta e para que os demais condutores não desrespeitem as regras de trânsito. “Eu estava de capacete e não sofri lesões na cabeça; estava com proteção de coluna e a preservei; usava bota e calça jeans, então não perdi os movimentos do meu tornozelo. Apesar das sete cirurgias, tenho esperança de logo voltar a andar, mas os dois condutores dos demais veículos, não seguiram as regras de trânsito”, relata.

Por outro lado, Rogério conta que ele estava sem a luva de proteção e, na violenta colisão, acabou perdendo os movimentos da mão direita e do punho direito, fator que contribui para deixar sequelas que ficarão para sempre. “Por isso, meu conselho é, use sempre luvas, de preferência de couro, quando estiver numa moto; respeite as leis de trânsito, perceba o risco, proteja a vida, e volte em segurança para sua família, porque sempre tem alguém que te ama e te espera”, aconselha.

Mande seu depoimento

O Movimento Maio Amarelo é realizado há sete anos como forma de conscientizar para um trânsito mais humanizado, para reduzir o número de acidentes, mortes e de vítimas no trânsito. Devido à pandemia do coronavírus as ações presenciais foram transferidas para o mês de setembro, quando também é realizada a Semana Nacional do Trânsito e, neste mês de maio, optou-se por uma campanha digital, com envolvimento pelas redes sociais.

Nesta primeira semana a ênfase está nas estatísticas de trânsito; na segunda semana será conscientizado sobre o perigo de usar o  celular no volante; depois o respeito ao pedestre na via e na última semana de maio, os riscos de associar velocidade, álcool e direção.

“Convidamos a comunidade a participar postando nas redes sociais depoimentos de boas atitudes no trânsito; sobre a superação de situações como as do Rogério ou, ainda, colocando fotos ou dicas com boas ações que levam à mudança de comportamento para um trânsito mais seguro, pois o trânsito é feito por todos nós”, explica a coordenadora de Educação de Trânsito, Luciane de Moura.

Quem quiser participar com depoimentos pode postar nas redes sociais usando a #maioamarelocascavel ou enviar um vídeo de ate 2 minutos usando o slogan “Perceba o risco, proteja a vida” para o e-mail comunicacao@cettrans.com.br.

Reportagem: Assessoria

 

Mosquito da dengue nas áreas externas


Fale com a Redação

dois × três =