A espera de muitos pacientes de Toledo por uma consulta com oftalmologista chegou ao fim ou está muito próximo disso. Desde abril, várias ações da Secretaria Municipal de Saúde (SMS), têm contribuído para a redução das filas de quem necessita de atendimento com especialistas em saúde ocular – entre elas, o mutirão que permitirá zerar a fila de catarata nos próximos meses e avançar muito nos procedimentos de pterígio que estavam parados há muito tempo.

Todos os pacientes com idade entre 13 e 59 anos que passaram pela Atenção Básica e receberam encaminhamento para oftalmologista em 2020 já foram atendidos. Atualmente, estão sendo agendados pacientes que encaminhados em março de 2021. Para os demais públicos, a fila para consulta com oftalmologista está ainda menor: de 0 a 12 anos, estão sendo atendidos os que encaminharam a partir de junho deste ano e quanto aos idosos com 60 anos ou mais estão sendo atendidos os que encaminharam em maio de 2021.

Segundo a diretora da Rede de Atenção Especializada da SMS, Katheli Nascimento, esta situação significa, em termos práticos, que a espera para consultas oftalmológicas está zerada. “Se temos demanda de consultas apenas de março desse ano para a população adulta e para crianças e idosos estamos com a situação em dia, podemos dizer que a fila, com 284 pessoas, para esta especialidade é perfeitamente administrável”, analisa.

Outras especialidades

Além da oftalmologia, outras especialidades médicas estão recebendo atenção especial da SMS, que tem trabalhado para reduzir e, alguns casos, até zerar a fila de espera até o fim do ano. Ao todo, 11.805 pacientes aguardam há bastante tempo por consultas com ortopedistas, urologistas, angiologistas, endocrinologistas, cardiologistas, otorrinolaringologistas, dermatologistas e cirurgiões gerais – ação para a qual foram destinados R$ 1 milhão.

Para a organização deste mutirão, a SMS conta com a parceria do Consórcio Intermunicipal de Saúde Costa Oeste (Ciscopar), cuja sede já está realizando consultas e procedimentos. Estes também acontecem em outros locais, como nas clínicas conveniadas ao consórcio e que já aderiram ao projeto. Outras clínicas credenciadas ao consórcio que queiram se juntar aos mutirões devem manifestar interesse em participar da iniciativa mediante resposta ao ofício enviado por e-mail para estes prestadores.

Abstenção

Embora esta ação represente um grande avanço, Katheli demonstra preocupação com o número de faltas para as consultas com os especialistas que já estão atendendo pelo mutirão: em dois sábados, com 100 vagas disponibilizadas pelo Ciscopar exclusivamente para cidadãos de Toledo, apenas 45 compareceram – 22 faltaram no dia 12 e 33 em 19 de junho. “Este absenteísmo é a junção de vários fatores. Por exemplo: há pacientes que sequer se lembram do porquê foram encaminhados, muitas vezes foi o médico na unidade de saúde que fez este encaminhamento em razão de um problema momentâneo. Nestes casos, quanto maior o tempo de espera, maior a percentagem de faltantes”, observa.

De acordo com a diretora, a solução para este problema está no comprometimento mútuo: “Pedimos às pessoas que esperam por consulta com especialista para atualizar seus dados na unidade de saúde do seu bairro ou na Unidade Referência no momento, para serem mais facilmente localizadas pela equipe responsável por entrar em contato”, sugere. “Ainda que o paciente não precise mais da consulta ou dos procedimentos, é fundamental que isso nos seja comunicado para fazermos a fila andar e chegar àqueles que realmente precisam”, salienta.