BRASÍLIA – A área técnica do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) solicitou mais sete dias para concluir perícia contábil de documentos da Focal Confecção e Comunicação Visual Ltda, gráfica que prestou serviços para a campanha à reeleição de 2014 da presidente afastada Dilma Rousseff. O prazo termina nesta segunda-feira e caberá à corregedora do TSE, ministra Maria Thereza de Assis Moura, decidir se atende ou não o pedido. A área técnica argumenta que é preciso ter mais tempo para terminar a perícia de documentos da Focal que chegaram em 1º de agosto.

Dilma informou ter pago R$ 24 milhões à Focal, o segundo maior contrato da campanha. A suspeita é de que pode ser, na verdade, uma empresa de fachada. Reportagem do jornal “Folha de São Paulo” revelou que um dos sócios era um motorista contratado pela própria empresa.

A decisão de Maria Thereza de fazer perícia na Focal e em mais quatro fornecedores da campanha de Dilma foi tomada em abril, após pedido do PSDB. A perícia começou em 15 de maio e teria três meses para ser concluída.

Há quatro processos no TSE que pedem a cassação da chapa vencedora das eleições de 2014. Se o impeachment de Dilma for confirmado, o presidente interino Michel Temer, que foi vice na chapa, herdará todos os processos.