Curitiba – Três novos suspeitos do caso Daniel se apresentaram à Polícia Civil do Paraná e devem ser ouvidos nesta quinta-feira (8). Os jovens de 18 e 19 anos são amigos de escola de Allana Brittes, que está presa sob suspeita de envolvimento no assassinato do jogador Daniel Corrêia, 24 anos, no dia 29 de outubro, na região metropolitana de Curitiba.

Os investigadores consideram que os rapazes possam ter algum grau de envolvimento no crime já que estavam no Veloster conduzido por Edison Brittes, o Juninho Riqueza, no qual Daniel foi colocado no porta-malas após uma sessão de espancamento.

O advogado de defesa dos jovens afirmou que a primeira ideia não era matar Daniel: "A ideia era largá-lo sem roupa na rua para passar vergonha. Alguém teve a ideia de deixá-lo na BR sem roupa. Mas no meio do caminho o celular do Daniel, que estava no banco da frente, tocou e o Edison, o assassino, pegou o celular e viu as imagens", afirmou o defensor em referência às fotos em que Daniel aparece na cama de Cristiana, esposa de Edison.

As versões da família Brittes para os fatos que levaram à morte de Daniel são marcadas por contradições. Na segunda à noite vieram à tona gravações de conversas de Juninho com um amigo de Daniel nas quais o suspeito, antes de confessar o crime, nega que ele tenha acontecido.