Rio de Janeiro – Depois de uma parada no Japão para a disputa do Grand Slam de Osaka e treinamento de campo no Instituto Kodokan, a próxima e última competição da seleção brasileira de judô será na China, no World Masters de Guangzhou, no próximo fim de semana (dias 15 e 16).

A disputa reúne os 16 melhores do mundo de cada categoria de peso no Ranking Mundial e encerra o Circuito da Federação Internacional de Judô em 2018. Além das medalhas, estarão em jogo até 1.800 pontos (campeão).

Na competição masculina, o Brasil será representado por Eric Takabatake (60 kg), Phelipe Pelim (60 kg), Charles Chibana (66 kg), Daniel Cargnin (66 kg), Eduardo Yudy (81 kg), David Moura (acima de 100 kg) e Rafael “Baby” Silva (acima de 100kg).

Já entre as mulheres, o País terá Jéssica Pereira (52 kg), Rafaela Silva (57 kg), Maria Portela (70 kg), Beatriz Souza (acima de 78 kg) e Maria Suelen Altheman (acima de 78 kg).

Apenas oito países inscreveram mais de dez atletas para o World Masters e o Brasil é um deles, com 12 judocas. As maiores delegações são de Rússia e Japão, ambos com 19 atletas, seguidos por China (14), Mongólia (13), Brasil (12), Israel (11), França (11) e Holanda (10). Ao todo, serão 237 atletas de 53 países brigando por medalhas em solo chinês.

Em 2017, no Masters de São Petersburgo, na Rússia, o Brasil foi ao pódio com Maria Portela, que levou o ouro no peso médio feminino; David Moura, que ficou com a prata no pesado masculino; além de Érika Miranda, Maria Suelen e Baby, que conquistaram bronzes.