Cascavel – O jornal O Paraná inicia neste sábado (30) uma série de entrevistas com os candidatos à presidência da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) Cascavel. O primeiro entrevistado é o advogado Rui da Fonseca da chapa “XI de Agosto”, a mais tradicional chapa que disputa eleições na Ordem. A reportagem separou os melhores momentos, contudo, a entrevista completa pode ser acessada na integra através do QR Code.

A eleição para presidente da OAB Cascavel reunirá quatro chapas. O pleito será realizado no dia 25 de novembro e contará com os candidatos: Rui Fonseca “XI de Agosto”; Marroquis Borgo Freire “Renova OAB”; Alex Gallio, chapa “OAB para todos” e Ismael Kalil com a chapa “OAB de Respeito”.

Durante a entrevista, Rui falou sobre a experiência de gestão que tem e porque ela será importante para comandar a entidade, que é tem papel fundamental para a sociedade, não apenas para os advogados. Além disso, Rui também falou sobre as principais propostas da XI de Agosto e também sobre a dissidência de ideias que culminou com um racha na chapa antes mesmo da eleição começar.

Natural de Londrina, Rui da Fonseca veio para Cascavel ainda criança e aqui fixou raízes. Estudou direito na Universidade de Mogi das Cruzes, em São Paulo e depois de formado, resolveu retornar a Cascavel, onde começou a advogar no escritório de Airton Reis, o qual até hoje tem como mestre.

 

Candidatura

Candidato a presidente pela tradicionalíssima XI de Agosto, Rui da Fonseca tem como candidata a vice-presidente a advogada Suzana Perboni.

Atualmente Rui é conselheiro estadual da OAB Paraná, e de acordo com ele, essa experiência, junto com as que ele acumula em trinta anos de advocacia serão essenciais para realizar um ótimo trabalho a frente da Subseção Cascavel. “A XI de Agosto escolhe bem os seus candidatos, porque ela confia na experiência administrativa, na experiência de gestão que se adquire. É como você começar em um cargo menor e cada vez você vai assumindo mais responsabilidades. Assim aconteceu comigo”, afirma.

Para realizar a composição da candidatura e elaborar os projetos da chapa, Rui disse que procurou ouvir advogados especialistas de todas as áreas. “Nós procuramos conversar com a área previdenciária, com a cível, trabalhista, família, com a área do tributário, enfim, com todas as áreas. E principalmente aquelas propostas gerais que interessam a toda a advocacia. Então essas propostas foram realizadas visando à demanda hoje dos advogados. O direito é contemporâneo. A OAB também tem que ser contemporânea”, analisa.

 

Racha do Grupo

Rui não foge da raia nem mesmo quando o assunto é espinhoso. Ainda no período pré-eleitoral a XI de Agosto sofreu um duro golpe. Líderes da chapa discordaram sobre os indicados a presidência e acabou que partes dos advogados que compunham a chapa saíram e criaram outra chapa. Rui ameniza o racha e diz que houve uma dissensão de ideias.

“Tivemos uma dissensão de ideias. Nós estávamos em um período pré-eleitoral e participávamos de um grupo de WhatsApp. Depois de muita conversa foi decidido nesse grupo que eu poderia ser viabilizado como candidato, mas aconteceu um fato bem interessante: Depois de termos decidido isso eu comecei a receber de alguns líderes algumas posições bem negativas que não representavam a XI de agosto, por exemplo, que a minha idade iria prejudicar. Mas lamentavelmente o Rui não responde por esse aspecto. Pois há um grupo da XI de agosto, um verdadeiro grupo da XI de agosto que eram representados pelos membros do TED (Tribunal de Ética e Disciplina). Quando eu relatei essa situação ao presidente da OAB Paraná, Cássio Telles, eu fui resgatado por esse grupo, dizendo que desta forma não haveria condições de permanecer. Então deixamos aquele grupo, mas jamais a XI de Agosto. E jamais deixaremos que algumas pessoas aprisionem as ideias da XI de agosto.”

Defesa das Prerrogativas

Um dos principais propósitos da OAB é a defesa das prerrogativas dos advogados no exercício da função. Na região Oeste há muitos relatos de que autoridades públicas violam as prerrogativas dos defensores, sejam em presídios, fóruns, prefeituras ou afins. De acordo com Rui, se depender dele, isso não acontecerá mais.

“Há direitos que são aqueles esculpidos no artigo 133 da Constituição Federal onde diz que o advogado é indispensável à administração da justiça, sendo inviolável pela sua manifestação, seus atos e palavras. Ou seja, esse empoderamento que a Constituição deu aos advogados devem se traduzir em respeito as prerrogativas. Nós seremos vigilantes. Teremos uma comissão permanente dos direitos e prerrogativas. Não tememos a defesa do advogado, seja onde for, nós lá estaremos.”

 

Representatividade

Entre as principais pautas propostas pela XI de Agosto está à representatividade feminina e de negros na composição da chapa. Contudo, Rui garante que essa representatividade não é apenas por exigência legal é porque as pessoas possuem competência para estar compondo a chapa. “Hoje nós temos a maioria do nosso conselho e da diretoria mulheres. O que isso quer dizer? As mulheres possuem competência, é nessa competência que nós temos que respeita-las. Essa competência feminina, essa presença, esse novo olhar é muito importante.”

 

Gestão Atual

Sobre a atual gestão da OAB Cascavel e a atuação desta, Rui analisa que acredita que o atual presidente fez o melhor que pode. Diz ainda que dará continuidade as coisas boas desenvolvidas pela gestão e pretende melhorar a atuação da entidade. “Eu tenho de mim para comigo que cada gestor fez o melhor que pode. Nenhum gestor deve tentar destruir o que a outra gestão fez, pelo contrário, ele deve aprimorar. O que é bom será aprimorado. Então eu não traço nenhuma crítica ou algo que possa denegrir a imagem do gestor. Como disse, cada um fez seu papel. Nós temos que aprimorar, nós temos que olhar para a frente. Deixe o passado. O passado ele só nos ensina o que nós devemos fazer.”

 

 

“É como você começar em um cargo menor e cada vez você vai assumindo mais responsabilidades. Assim aconteceu comigo”

No Qr-code você acompanha a entrevista completa.