Rosberg vence de ponta a ponta tumultuado GP da Bélgica

201608281052475058_AP.jpgNico Rosberg confirmou o favoritismo e após largar na pole-position, neste domingo, venceu de forma tranquila o GP da Bélgica de F-1, a 13ª etapa da temporada 2016. O vice-líder do campeonato, no entanto, não conseguiu assumir a liderança do Mundial de Pilotos. Seu companheiro de Mercedes, Lewis Hamilton, fez incrível corrida de recuperação e cruzou em terceiro após largar em penúltimo, mantendo a liderança. O inglês foi punido por ter trocado inúmeras vezes peças do seu motor e por isso ocupou a última fila na largada.

brde1

Daniel Ricciardo, da RBR, terminou em 2º. Felipe Massa, da Williams, fechou a zona de pontuação em 10º. Ele chegou a quinta posição mas não consegiu manter. Felipe Nasr, da Sauber, foi o 17º e último colocado.

Rosberg foi único que teve vida fácil no circuito de Spa-Francorchamps. Passou ileso pela primeira curva, após largada marcada por acidentes, e assistiu a tudo pelos retrovisores.

Isso porque um forte acidente marcou o início do GP. O carro de Max Verstappen tocou no de Kimi Raikkonen provocando batida entre o finlandês e Sebastian Vettel.

Verstappen teve de fazer parada nos boxes para trocar o bico do carro e a Ferrari teve de controlar um princípio de incêndio.

Já o alemão rodou e caiu diversas posições. Daí para frente, foram duas voltas de loucura em Spa-Francorchamps. Pascal Wehrlein bateu na traseira de Jenson Button e ambos abandonaram. Marcus Ericsson e Felipe Nasr também enfrentaram problemas no final do grid, com o sueco abandonando. Carlos Sainz Jr. teve um pneu furado e protagonizou cena bizarra após sua asa ficar pendurada no carro (também ficou fora da corrida).

Hamilton se deu bem logo no início da corrida. Após largar na 21ª posição, ele saltou para a 12ª posição, ajudado pela série de acidentes. Na 12.ª volta ele já estava em quarto lugar.

E não acabou. Na sexta volta, Kevin Magnussen perdeu o controle do seu Renault e bateu violentamente na proteção de pneus na curva Eau Rouge.

O safety car foi acionado, mas os fiscais tiveram dificuldades para reconstruir a barreira de proteção e a prova foi paralisada com bandeira vermelha três voltas depois, 24 minutos após a largada.

O carro da Renault ficou completamente destruído. Apesar da violência do impacto, o dinamarquês não se machucou seriamente. Saiu do carro mancando e retornou aos boxes caminhando com a ajuda de alguns fiscais.


Receba as principais notícias através do WhatsApp

ENTRAR NO GRUPO

Lembre-se: as regras de privacidade dos grupos são definidas pelo Whatsapp. Ao entrar seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.


Fale com a Redação