Quando o cônjuge é pai ou mãe

A radical igualdade da relação de casal é o que a diferencia da relação entre pais e filhos.

A relação de casal é caracterizada pela igualdade essencial entre marido e esposa. Não há direito nem obrigação que não seja recíproco. Pode haver acordos entre eles no sentido de cada um assumir determinadas funções, mas nenhum direito prévio que possa ser reivindicado.

brde1

A radical igualdade da relação de casal é o que a diferencia da relação entre pais e filhos. Nesta, com efeito, os direitos e as obrigações são específicos para cada parte.

Acontece que, por vezes, formam-se casais que mantêm entre si uma relação muito mais parecida com a de pais e filhos do que a de parceiros. Os modos como se expressa essa relação são bem variados e vamos examinar alguns a seguir. Pois, como se trata de uma violação de ordem, isso costuma gerar consequências graves na relação de casal.

Uma primeira modalidade de violação da igualdade pode acontecer antes mesmo de a relação propriamente dita se efetivar. Trata-se da ideia bastante difundida de que, em uma relação de casal, o amor deve ser incondicional. Ocorre que amor incondicional é próprio da relação pais-filhos, mas não da relação de casal. Somente um filho pode esperar ser amado para sempre de modo incondicional. Assim, quando alguém entra na relação com essa expectativa, está, na verdade, à procura de um pai ou de uma mãe, mas não de um parceiro ou uma parceira.

Uma segunda modalidade de violação é o padrão segundo o qual a esposa “repreende” o marido constantemente como se fosse um menino travesso pelos motivos mais triviais. Enquanto a esposa viola a igualdade ao repreender, o marido a viola ao consentir com isso.

Uma terceira modalidade de violação ocorre quando há chantagem, como quando um diz ao outro: “Sem você, não consigo viver”; “Se você for embora, eu me mato”; “Minha vida sem você não tem mais sentido”. A reivindicação de ser cuidado para sempre, de não ser abandonado, é um direito exclusivo de um filho, jamais de um parceiro. Pais e filhos estão ligados por laços indissolúveis enquanto o casal se une por um pacto ou um contrato dissolúvel.

Uma quarta modalidade de violação é a que acontece quando só um dá e o outro só toma. A relação pais-filhos funciona assim, pois os filhos jamais conseguirão devolver aos pais o que deles tomaram. A relação de casal precisa se dar no equilíbrio de troca. Aquele que quer unicamente dar e não aceita receber se considera melhor e não quer se comprometer. Aquele que aceita apenas tomar, assume a função de filho, não a de parceiro.

A quais consequências conduz essa forma de relação? O mais comum é um casamento que o casal mais parece uma relação de irmãos: não se percebem calor e emoção, e sim o costume de viverem juntos. Algumas vezes, porém, aquele que está na posição de filho se irrita por receber demais e vai embora. É uma situação frequente em muitas separações.

Tem tratamento? Sim, desde que o casal se disponha a uma terapia. A conversação terapêutica de base sistêmica utiliza dinâmicas específicas para levar a esposa a tomar a força da mãe e o marido, a do pai.

———————

JOSÉ LUIZ AMES E ROSANA MARCELINO são terapeutas sistêmicos e conduzem a Amparar.

Siga nossa página no Instagram @ampararcasais

JK

Receba as principais notícias através do WhatsApp

ENTRAR NO GRUPO

Lembre-se: as regras de privacidade dos grupos são definidas pelo Whatsapp. Ao entrar seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.


Fale com a Redação