Às vésperas de completar dois anos da “desativação”, o cadeião da 15ª SDP (Subdivisão Policial de Cascavel) coleciona episódios de superlotação e tentativas de fuga. A última delas foi registrada na tarde dessa quarta-feira (12).

Segundo uma pessoa que acompanhou o episódio, os presos cerraram uma das celas e tiveram acesso a uma galeria usada como depósito para tentar fugir.

O depósito tem três celas que “sobreviveram” da cadeia que foi demolida.

Quando os presos acessaram o depósito, os agentes do Depen (Departamento Penitenciário) flagraram a ação. Momento em que formam ouvidos alguns disparos de arma de fogo.

Devido ao tumulto, os agentes solicitaram apoio da Polícia Civil e a situação foi rapidamente controlada.

O local que não deveria mais ter presos, ontem abrigava 115 presos. Nenhum deles conseguiu fugir. Mais tarde, a SOE (Seção de Operações Especiais) foi acionada para fazer uma varredura em todas as celas.

Só promessas

Ainda no início de 2016 o então governador do Paraná Beto Richa anunciou que a estrutura da PEC (Penitenciária Estadual de Cascavel) seria reconstruída e que para lá seriam transferidos todos os detentos abrigados no cadeião da 15ª SDP (Subdivisão Policial de Cascavel). Naquele mesmo ano, em um ato popularesco, Beto veio à cidade para desativar o cadeião e, em uma cerimônia simbólica, destruiu parte da estrutura para mostrar que o local nunca mais abrigaria detentos. E a população acreditou!

Na visita, Beto Richa fez questão de frisar que o compromisso do governo do Estado em desativar o cadeião havia sido cumprido.

Dois anos depois, o cadeião apenas reduziu a quantidade de presos, mas continua a mesma bomba-relógio das últimas duas décadas.