Presos da cadeia pública de Sarandi, no norte do Paraná, fizeram uma transmissão ao vivo na noite de quinta-feira (16) para reclamar da situação do presídio. O Departamento Penitenciário do Paraná (Depen-PR) informou que uma fuga foi frustrada na manhã dessa sexta-feira (17).

Entre as reclamações dos presos está a superlotação do presídio.

Os presos também reclamaram do tratamento que estão recebendo pelos agentes.

“O chefe de segurança vem todo ano oprimindo nós e nossos familiares. Dessa forma aí, vocês acham que a gente vai melhorar? Tá formando monstro nessa unidade”, afirmou um dos presos.

Além disso, um detento afirmou que os presos chegam a pagar R$ 10 mil para agentes de segurança liberarem celulares para uso dentro do presídio.

“Eles fizeram da cadeia uma firma. Nesse momento a cadeia tá um barril de pólvora e uma hora vai estourar”, disse um detento.

A Polícia Civil instaurou um inquérito para apurar as denúncias apresentadas pelos presos.

O que diz o Depen

O Depen-PR informou que fez uma operação durante esta sexta para a retirada de aparelhos celulares e outros itens ilícitos. Além disso, o órgão afirmou que muitas das reclamações dos presos são improcedentes.

Em relação à superlotação da cadeia, o Depen-PR reconheceu que há excesso de presos, mas disse que está fazendo a transferência de detentos para outras unidades.

Sobre as visitas, o órgão informou que existe a restrição por causa da pandemia de Covid-19.

O Depen-PR disse ainda que os responsáveis pela transmissão ao vivo irão responder criminalmente e administrativamente pela conduta.

Objetos ilícitos foram apreendidos durante operação — Foto: Depen-PR

Objetos ilícitos foram apreendidos durante operação — Foto: Depen-PR

(G1 Paraná)