Prefeitura negocia expansão de avenidas com empresários

Veja quais as avenidas que deverão ser prolongadas

Reportagem: Josimar Bagatoli

Prevista no plano de governo de Leonaldo Paranhos, a expansão de duas importantes avenidas começa a ser negociada entre o Executivo e os proprietários de áreas que serão afetadas. A proposta é prolongar a Avenida Barão do Rio Branco e a Avenida das Torres. A discussão já ingressou no Concidade (Conselho Municipal da Cidade), que requereu estudo do IPC (Instituto de Planejamento de Cascavel) sobre custos, extensão afetada e contrapartidas por parte dos empreendedores e do poder público.

Inicialmente, a ideia é prolongar a Avenida Barão do Rio Branco por cerca de 3,5 quilômetros da rodovia PR-180 (sentido a Espigão Azul) – com duplicação do trecho – até o encontro da Avenida das Torres, que teria o traçado continuado do Centro Universitário FAG, passando pela Rua Jorge Lacerda chegando até a Avenida Piquiri – cerca de 7 quilômetros (alguns já estão executados).

Os custos passam por análise e serão apresentados na próxima reunião do Concidade, no dia 4 de setembro. Também serão feitos levantamentos ambiental, social e viário do trecho.

Em caixa, a prefeitura não tem um centavo sequer para a obra. Por isso, uma articulação é feita pelo prefeito Leonaldo Paranhos (PSC) com os proprietários das áreas que teriam o traçado das avenidas. Para a prefeitura, elas doariam as áreas e custeariam as obras e, em troca, o perímetro urbano seria ampliado, beneficiando os empresários que poderiam lotear as áreas hoje rurais. “Já existem empreendimentos previstos em áreas próximas, onde o perímetro é urbano. No entanto, as avenidas tendem a passar por trechos rurais. De qualquer maneira, as empresas interessadas em abrir loteamentos precisariam criar toda infraestrutura de maneira gradativa. Por isso, há um trabalho de convencimento dos proprietários para que cada um execute sua parte”, explica o presidente do Concidade, Adir Tormes.

Manter o trecho afetado como rural inviabiliza totalmente a obra, por isso, além da articulação com os empresários, a prefeitura precisa da aprovação da Câmara de Vereadores para ampliar o perímetro urbano. “A ideia é não gastar nada. Se precisar de dinheiro público, não vai sair do papel. Com a aceitação dos empresários, haverá uma audiência pública para discutir com a comunidade e o projeto formatado será apreciado pela Câmara”, explica Tormes.

Se os trâmites ocorrerem sem empecilhos, até dezembro o projeto ficará pronto.

Resultado dos sobrevoos

Logo após ganhar a eleição, o prefeito Leonaldo Paranhos já havia declarado que tornaria real a expansão de avenidas de Cascavel. Tal decisão esteve em suas metas durante sobrevoo feito na cidade com helicóptero disponibilizado por apoiadores logo após o processo eleitoral. Paranhos havia usado a aeronave para facilitar o deslocamento sobretudo ao interior.

 



Fale com a Redação

quatro × 5 =