Mesmo sem sua maior estrela, Cristiano Ronaldo, desde o início do jogo, lesionado no joelho, Portugal conquistou, neste domingo, o mais importante título de sua carreira. Em Saint-Denis, a seleção lusitana suportou a pressão da favorita França e, após empate sem gols no tempo normal, venceu por 1 a 0. O gol do título, no segundo tempo da prorrogação, veio dos pés de um herói improvável: Éder, que nasceu em Guiné Bissal.

– É fantástico, muito merecido, estamos todos de parabéns – disse o atacante.

Desde que saíra de campo, Cristiano Ronaldo virou, praticamente, um auxiliar do técnico Fernando Santos. Ao fim do tempo regulamentar, fez questão de motivar os companheiros e, na prorrogação, não se cansava de gritar, orientando a seleção.

O gol do título saiu aos três minutos do segundo tempo da prorrogação. Éder recebeu sozinho fora da área, ajeitou e bateu forte, no canto direito de Lloris, que voou, mas não alcançou. Final de jogo, festa portuguesa, com certeza.