Nas águas geladas de Copacabana, a brasileira Poliana Okimoto superou o trauma da hipotermia em Londres-2012 e terminou a maratona aquática, disputada na manhã desta segunda-feira, na quarta colocação. Porém, com a desclassificação da francesa Aurelie Muller, que chegou na 2ª posição, Poliana herdou uma vaga no pódio, ficando com o bronze. Muller cometeu violação na linha de chegada, de acordo com análise dos árbitros da prova. A delegação da França entrou com protesto contra a decisão da arbitragem. Poliana Okimoto e maratona aquática

Em entrevista após a prova, Poliana desbafou e disse que superou as adversidades:

– Me chamaram de velha, desacreditaram em mim e mais uma vez eu dei a volta por cima – disse a nadadora.

Esta foi a primeira medalha do Brasil na maratona aquática em Jogos Olímpicos e o melhor resultado da natação feminina na História.

A dura prova, com percurso de 10 quilômetros, foi vencida pela holandesa Sharon von Rouwendaal. A prata ficou com Rachele Bruni, da Itália.

A outra brasileira na competição, Ana Marcela Cunha, chegou na 10ª posição.

– Eu me preparei não quatro anos, mas oito anos para voltar à Olimpíada em casa. Eu era uma das favoritas. O que fiz hoje aqui foi o meu máximo, mas não foi digno de uma (atleta) três vezes campeã da Copa do Mundo – desabafou Ana Marcela.esp_maratona.jpg

– Estou triste pela minha colocação. Nadei 7,5 quilômetros sem me alimentar. Na segunda volta, derrubaram a minha alimentação. Na terceira volta não consegui me alimentar de novo – acrescentou a brasileira, uma das favoritas para o ouro. Maratona aquática feminina