Um mandado de prisão e um mandado de busca e apreensão foram cumpridos em Cascavel, de acordo com a Polícia Federal do Município, referentes à Operação Miríade, liderada pela Polícia Federal do Macapá, no Amapá. O objetivo da ação é desarticular uma organização criminosa  especializada em praticar fraudes para obter regularização em títulos de terras públicas da União, bem como exploração de minério e madeira ilegal, no Amapá.

A ação é resultado de trabalho em conjunto com o Ministério Público Federal no Amapá, na qual cerca de 60 policiais federais cumprem oito mandados de prisão preventiva e 13 mandados de busca e apreensão nas cidades de Macapá, no Amapá; Cascavel, PR; Mirassol d’Oeste, Mato Grosso; e Sorriso, Mato Grosso. São alvos dos mandados servidores da Superintendência do Patrimônio da União, Agência Nacional de Mineração, Terra Legal e Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária

Segundo a Polícia Federal de Macapá, em Cascavel havia empresários que participavam do esquema na parte de compra de terras. Uma pessoa foi presa.

Ficou apurado que as terras públicas da União eram oferecidas à venda pelos servidores aos empresários, pelo valor de R$ 1 mil o hectare. Foi ofertado um total de 60 mil hectares, que poderia gerar um prejuízo de aproximadamente R$ 60 milhões aos cofres públicos, evitado pela presente investigação. Os investigados responderão, na medida de suas responsabilidades, pelos crimes de organização criminosa, corrupção ativa/passiva, falsificação de documento público, inserção de dados falsos em sistema de informação, estelionato qualificado e falsidade ideológica. Se condenados, as penas somadas podem chegar a 45 anos de reclusão.