Com o final do ano se aproximando, é necessário fazer algumas contas para o pagamento de impostos e de outras despesas para o começo de 2018. Esse cálculo se faz necessário para evitar inadimplência e complicações financeiras. Uma das preocupações mais frequentes é com o IPVA (Imposto sobre Propriedade de Veículos Automotores). O tributo tem como finalidade arrecadar dos proprietários de veículos terrestres, como carros e caminhões, para compor a receita do estado ou do município.

De acordo com a localidade, as secretarias da Fazenda divulgam uma tabela com os preços médios praticados no mercado para automóveis. Com base nesse número, é definida a porcentagem de imposto a ser recolhido. Em São Paulo, foi recolhido 4% do preço total dos veículos movidos a gasolina e biocombustíveis. Se você tem um carro com o preço de mercado de 40 mil reais, por exemplo, terá que pagar 1.600 reais de IPVA. Não é um valor muito acessível para ser pago de uma vez em muitos casos.

Se você é um investidor e tem dinheiro de reserva para pagamento de impostos e de contas, talvez a melhor modalidade seja fazer o pagamento a vista. Dependendo de qual for o seu estado, ainda será possível obter um desconto no valor cobrado, caso essa seja a forma de pagamento. O problema maior é a falta de planejamento para quitar esses valores obrigatórios.

Tome cuidado, contudo, com a ilusão do desconto. Você não pode se esquecer dos demais impostos e contas para quitar durante todo ano de 2019. Se não se organizar devidamente, pagar à vista não surtirá o menor efeito – pelo contrário, pode ser até pior. Por isso que é tão importante ter uma reserva financeira. Ela não serve só para te socorrer em momentos difíceis: também é importante para estruturar um planejamento e fazer o pagamento de impostos obrigatórios com o Estado.

Se você está endividado ou até mesmo tem uma vida financeira equilibrada, se não houver planejamento, dificilmente você conseguirá pagar o IPVA de uma vez. Nesses casos, o mais lógico é optar pelo parcelamento do IPVA. Para solicitar essa modalidade, no entanto, é necessário ficar atento aos prazos. Normalmente você terá que fazer o pedido no primeiro mês do pagamento.

Por fim, evite ao máximo solicitar empréstimos, cheque especial ou qualquer outro tipo de crédito do mercado financeiro. As taxas de juros costumam ser muito altas e podem transformar a vida financeira de uma pessoa em um pesadelo. Cria-se uma bola de neve de juros, dos quais fica difícil de se livrar posteriormente. Com essas dicas, você conseguirá se decidir melhor entre o parcelamento do IPVA ou o pagamento a vista.