Apesar da queda de 20% de assaltos em Cascavel no primeiro semestre do ano na comparação com o mesmo período de 2020, conforme balanço da Polícia Militar, a cidade vive dias de terror nas mãos de bandidos.

Levantamento feito pelo HojeNews mostra que nos últimos oito dias houve ao menos 28 roubos/furtos na cidade, número que preocupa.

Um dos roubos que chamaram a atenção pela violência aconteceu na última quinta-feira (15). Bandidos entraram em uma residência na Avenida Toledo, renderam os moradores e levaram TV, celular e uma bolsa com mais de R$ 11 mil, a qual foi encontrada pela Polícia Militar a três quadras do local com todo o dinheiro.

Já na madrugada da última segunda, ladrões renderam o dono de um comércio na região do Bairro Presidente, agrediram a vítima e a mantiveram refém por duas horas, antes de fugirem. Do local, foram levados várias caixas de bebidas, um celular e um veículo Fox, de cor preta.

A Polícia Civil diz que Cascavel é uma cidade “bem movimentada” em termos de criminalidade e a população não percebe isso em razão da ação das polícias e da Guarda Municipal.

“O roubo que preocupa de uma forma diferenciada é o roubo à residência e a estabelecimentos comerciais, porque há uma maior chance de acontecerem lesões corporais e até a morte das vítimas”, alerta a delegada-chefe da Polícia Civil, Anna Karyne Turbay Palodetto.

Já o vice-presidente do Conseg (Conselho Comunitário de Seguranaç), Luiz Sergio Martins Wosiack, os assaltos da semana passada são “casos pontuais”. “Sabemos que tem uma dupla de motociclistas que está aterrorizando o comércio da cidade, mas a polícia já está no encalço desses bandidos”, garante.

A ação dos tais motociclistas foi registrada na sexta-feira (17), quando um pedestre foi assaltado pela manhã enquanto andava pela Rua Cinira Santos, no Bairro Cataratas. A vítima contou que os dois homens a abordaram, deram voz de assalto e levaram celular, dinheiro e documentos e fugiram em uma motocicleta preta.

 

Ações

Nos meses de abril, maio e junho, a polícia enveredou esforços e fez duas ações para prender responsáveis a roubos nas rodovias. “Trabalhamos sempre dos crimes mais graves aos menos graves e agora estamos nos dedicando aos roubos nas rodovias, de residência e de veículos”, disse a delegada Ana.

Além dos roubos, houve aumento significativo de furtos de veículos para a retirada de peças. “Esse crime é muito difícil de investigar, por ser muito casuístico (minucioso). Pode ser alguém que esteja passando, pode ser um grupo que esteja fazendo isso para conseguir peças… Neste caso, a maioria dos veículos é recuperada faltando peças”.

Por conta do volume significativo dos crimes, a polícia fará reuniões com outros órgãos de segurança para tentar identificar focos de problemas e programar ações em conjunto para reduzir os furtos a veículos.