Mais do que nunca, a normal manifestação de virada de ano, bem desgastada e protocolar, se reveste de um sentido bem especial e muito significativo. Precisamos urgentemente, não de um, mas, de muitos anos felizes para nossa pátria.

Precisamos resgatar nossos valores éticos e morais já há muito desgastados pelos larápios, ladrões, assaltantes do dinheiro público, transvestidos de políticos, funcionários públicos, burocratas, executivos de empresas privadas e estatais que tiram o que é do povo em benefício próprio, deixando-o à míngua, sem segurança adequada, sem transporte público decente, sem escolas aparelhadas. Como uma nuvem de gafanhotos insaciáveis, destroem tudo, incluindo a dignidade humana de mais de 50 milhões de brasileiros que vivem abaixo da linha da pobreza.

Precisamos ter acesso a empregos qualificados, não sermos uma nação de informais e de subempregados sem seguridade social. O emprego é o direito natural de todo cidadão de bem. O trabalho dignifica o homem e a mulher para o necessário sustento de sua família. A corrupção, a má gestão e a desigualdade social ceifaram milhões de cargos de trabalho nos últimos anos.

Precisamos olhar o futuro com esperança e acreditar nas boas oportunidades para nossos filhos e netos.

Precisamos vigiar e afastar de nossa casa comum as ratazanas que infestam nossos órgãos públicos quer sejam federais, estaduais ou municipais, quer sejam do executivo, do legislativo ou do judiciário. Como diz a Bíblia "a messe é grande e os trabalhadores são poucos".

Se os cidadãos e as cidadãs de boa vontade e honestidade não se unirem, os canalhas e os ladrões continuarão a tomar e roubar não apenas nosso presente mas também nosso futuro. O preço da liberdade é a eterna vigilância. Sejamos diligentes e vigilantes porque os ladrões não dormem. Que o Brasil encontre seu grandioso futuro já em 2019.

Um 2019 totalmente renovado e próspero. Veremos o que o futuro nos reserva. Forte abraço.

Celso Luiz Tracco é economista e escritor