Mesmos sem simulador, preço da CNH não muda

Aulas com simulador deixarão de ser obrigatórias

A resolução do Contran (Conselho Nacional de Trânsito) apresentada em junho determina que a partir do dia 17 de setembro o uso do simulador será facultativo nos CFCs (Centros de Formação de Condutores). Com a medida, o governo federal estima uma redução de R$ 300 a R$ 600 no preço da habilitação.

Pelo menos por aqui parece que isso não vai acontecer. De acordo com a 7ª Ciretran (Circunscrição Regional de Trânsito), em Cascavel não há previsão de alteração no valor, pois ainda não foi repassado para as unidades informações sobre o assunto.

O aparelho se tornou obrigatório em 2015. Na época, a CNH (Carteira Nacional de Habitação) na categoria B, de carro, custava R$ 1.950. Hoje, em Cascavel, o preço chega a R$ 2.400, ou seja, R$ 450 a mais.

Para o gerente de uma autoescola José Aparecido Melo, o preço pode chegar a R$ 2.150, uma diminuição de R$ 250.

Mas há quem discorde. Caso da diretora-geral de outra autoescola. Viviane Zanotto Juliano explica que o valor da habilitação não envolve apenas o simulador: “Em Cascavel o preço da habilitação é defasado e é preciso considerar também o aumento de taxas e despesas com combustível e funcionários. Então é difícil dizer de quanto será a diminuição”.

Prejuízo

Para os CFCs, o prejuízo será grande no período de adaptações: “Acredito que o movimento vai diminuir de 70% a 80% até setembro, porque as pessoas se planejam para fazer a habilitação e vão esperar pelo desconto, mas as nossas despesas mensais continuam”, reclama o gerente de uma autoescola José Aparecido Melo.

Opiniões divididas

Assim como ocorreu quando o uso do simulador se tornou obrigatório, torná-lo facultativo divide as opiniões. A estudante Carolina Michelin tem 20 anos e está fazendo as aulas teóricas para tirar a habilitação. Ela afirma que, se pudesse, não faria uso do aparelho: “Nada melhor do que a realidade das ruas para aprendermos. Não acho necessário”.

Já o gerente de autoescola José Melo diz que a medida é prejudicial para o aluno que nunca teve experiência no volante: “O simulador mostra como fazer funcionar o veículo, a troca de marchas… Tem utilidades que ajudam as pessoas antes de irem para as aulas práticas”.

A diretora-geral de autoescola Viviane Juliano confirma a importância do aparelho: “É bom porque simula várias situações que a pessoa não vai vivenciar durante as aulas, como chuva, um acidente, neblina…”

Já a analista administrativa e auxiliar financeira Maria Raquel da Silva, de 19 anos, discorda: “Quando tive a experiência com o simulador quase desisti de tudo. Ele é fora de realidade. Toda aula eu me envolvia em um acidente e isso me deixou com um medo de dirigir. Quando peguei o carro, vi que era muito diferente”.

Quem iniciar o processo de CNH antes do dia 17 de setembro ainda terá que fazer o uso do simulador.

Horas-aulas

A partir do dia 17 de setembro o número das horas-aulas práticas obrigatórias na categoria B será reduzido de 25 para 20. Na categoria A, de moto, serão necessárias 15 horas. Em ambas as situações pelo menos uma aula deverá ser feita à noite. Quem optar por fazer o simulador de carro fará cinco horas no aparelho e 15 horas na rua e uma das aulas do simulador pode substituir a aula noturna.

Ciclomotores

Outra mudança apresentada pelo Contran é para os ciclomotores, as motos “cinquentinha”. O aluno poderá fazer apenas uma aula antes da prova prática e poderá usar o próprio veículo no dia do teste. “Como apenas uma aula será exigida, essa resolução vem para facilitar. Mas ainda é cedo para antecipar valores porque é um serviço não ofertado justamente porque os CFCs não têm os ciclomotores”, antecipa o gerente José Melo.

Reportagem: Milena Lemes



Fale com a Redação

quinze + cinco =