São Miguel do Iguaçu – Em 14 dias de fiscalização intensa que reúne diversas forças de segurança de toda a região da fronteira o balanço é positivo: são cerca de R$ 7 milhões de mercadorias contrabandeadas apreendidas. O número expressivo representa um crescimento de 225% com relação à última Operação Muralha, realizada no fim do ano passado.

Conforme a Receita Federal, o aumento ocorreu por conta da grande quantidade de eletrônicos apreendida neste ano, em apenas duas semanas. Em ônibus de turismo foram recolhidos R$ 1,680 milhão desses produtos.

Os dados são referentes ao período de 30 de abril a 13 de maio na região de fronteira com o Paraguai, especificamente na região oeste do Paraná. As apreensões ocorreram principalmente na base de fiscalização que fica perto da praça de pedágio da BR-277 em São Miguel do Iguaçu.

A força-tarefa atua também em estradas secundárias, com embarcações e via aérea, visando combater o tráfico de drogas e de armas e a passagem de contrabando do país vizinho para a Costa Oeste do Paraná, considerada a principal rota desses produtos para abastecer o crime nas grandes capitais.

De acordo com balanço divulgado pela Receita Federal de Foz do Iguaçu, nas duas primeiras semanas da Operação Muralha foram apreendidos 325.500 maços de cigarros, 1.045 quilos de maconha e 68,3 quilos de haxixe, uma arma e 74 munições, 41 unidades de medicamentos e anabolizantes e R$ 7,32 milhões em mercadorias. Nove pessoas foram presas em flagrante.

Segundo a Receita, 39 veículos ficaram retidos, sendo 17 automóveis de passeio, 21 ônibus e um caminhão.

O que chama a atenção da polícia é a quantidade de ônibus apreendidos, que aumentou 425% com relação à fase anterior da Operação. Isso ocorre por conta de pequenos comboios que tentam usar o transporte por ônibus para tentar passar pela barreira de forma mais fácil.

Outra forma de transporte considerada inusitada é a bicicleta. Dois ciclistas foram flagrados transportando maconha nas mochilas. O meio de transporte foi usado porque os suspeitos acreditavam que não seriam parados pela polícia.

Primeira fase

Esta é a primeira fase da Operação Muralha deste ano, que se iniciou dia 30 de abril e devem seguir pelo menos até 26 de junho, com possibilidade de prorrogação de prazo. Participam da Operação agentes da Receita Federal, Polícia Federal, Força Nacional, Polícia Rodoviária Federal, Exército, Marinha, Aeronáutica, Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis), Agência Nacional de Transportes Terrestres , Agência Brasileira de Inteligência, Secretaria de Segurança Pública do Paraná (Polícia Militar do Paraná, Polícia Civil e Departamento de Inteligência do Estado do Paraná – Diep), Ministério Público Estadual e GGIFRON-PR.