BRASÍLIA – O ex-ministro da Saúde no governo Dilma Rousseff, o peemedebista Marcelo Castro (PI) registrou na manhã desta sexta-feira sua candidatura à presidência da Câmara para suceder Eduardo Cunha (PMDB-RJ). Castro justifica que o PMDB, que só tinha a presidência na Mesa Diretora, sendo o maior partido não pode ficar sem a vaga.

O deputado anunciou a intenção de concorrer à bancada do partido e quer o respaldo dos colegas. Ao contrário da costura que está sendo feita para um candidato do centrão, ele defende que o PMDB dispute o cargo.

? Fomos pegos de surpresa com a renúncia, e como está tudo muito rápido, já registrei a candidatura. Vou discutir com bancada. Defendo que o PMDB tenha candidato próprio. O mandato (da presidência da Câmara) é do PMDB, o maior partido da Casa não pode ficar 100% fora da Mesa. Se eu convencer os colegas da bancada manterei a candidatura ? disse Castro.

Dentro da bancada, outros deputados também já mostraram interesse em disputar à presidência da Câmara. Além de Castro, o deputado Sérgio Souza (PR) também lançou seu nome. Outro possível candidato seria Osmar Serraglio (PR), presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ).

No entanto, os líderes do centão não aceitam um nome do PMDB, e querem emplacar Rogério Rosso (PSD-DF). Da base de Temer existem também outros candidatos como Rodrigo Maia (DEM-RJ).

Formalmente na Câmara, além de Castro estão oficializadas as candidaturas de Fausto Pinato (PP-SP) e Carlos Gaguin (PTN-TO)