Maioria dos motoristas da Uber no Brasil não tem carro próprio

Aplicativo criou ferramenta para impedir calote às locadoras

Cerca de dois terços dos 600 mil motoristas da Uber no Brasil não dirigem veículos próprios, mas recorrem aos serviços das empresas de aluguel de carros para trabalhar.  A informação foi repassada pela companhia aos executivos das locadoras de veículos ainda em 2019. O grande número de trabalhadores parceiros sem carro no país motivou a criação de uma ferramenta que permite reter os ganhos dos motoristas no aplicativo para o pagamento das locações, num esforço de evitar calotes.

A medida entrou em vigor em outubro do ano passado, em fase beta, valendo apenas para quem utiliza o serviço de aluguel de carros em SP e em Brasília. De acordo com o responsável pela área de soluções para veículos da Uber na América Latina, Caleb Varner, a ferramenta é apenas uma das ações que compõem o programa da empresa para locadoras. Outras facilidades incluem a criação de uma plataforma para conectar empresas menores de locação e motoristas e a criação de um canal de comunicação entre o aplicativo e as locadoras via WhatsApp.

Escolhido como como país-piloto para o projeto, o Brasil é o segundo maior mercado da Uber no mundo, perdendo apenas para os Estados Unidos. Na visão da empresa, o aluguel de carros é uma das principais tendências no que diz respeito à utilização de veículos nos próximos anos. “Vemos que o aluguel do carro é mais barato do que ter o próprio carro, é muito fácil e dá mais flexibilidade, e é muito clara a nossa intenção de incentivar o aluguel do automóvel”, disse a gerente sênior de veículos da empresa para a América Latina, Isabela Banduk, em declaração à Agência Estado.

A parceria da Uber com as locadoras, contudo, é criticada por uma parcela dos motoristas, que é contra a retenção de valores pelo aplicativo e argumenta que o preço do aluguel de carros já engloba eventuais prejuízos por calote. Os trabalhadores cobram da empresa mais medidas voltadas para garantir apoio e segurança aos motoristas.

 Parceria entre Uber e locadoras pode prejudicar montadoras

Maior mercado doméstico de automóveis da América Latina, o Brasil pode estar virando território hostil para as montadoras, que vêem seus lucros diminuindo em favor dos ganhos dos aplicativos de carona e de seus parceiros, entre os quais as locadoras de veículos. De acordo com pesquisa apresentada pela Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), a possibilidade de usar novas formas de transporte é uma das principais razões que levam o brasileiro a deixar de comprar carros atualmente.

Conteúdo patrocinado. 



Fale com a Redação

dois + 12 =