POLICIAL

Maio Amarelo: Foz tem queda no número de acidentes e óbitos no trânsito

03 de maio de 2022 às 14:28
Publicidade

O trabalho integrado entre poder público, iniciativa privada e sociedade civil organizada com ações de fiscalização, educação e infraestrutura tem contribuído para a redução no número de acidentes e óbitos no trânsito de Foz do Iguaçu.

De acordo com dados do Programa Vida no Trânsito (PVT) e Câmara Técnica de Trânsito do Gabinete de Gestão Integrada Municipal (GGIM), em 2021 foram registrados 2.929 acidentes em vias públicas com 28 vítimas fatais. Em 2019, antes da pandemia, foram contabilizados 3.555 acidentes e 36 óbitos, uma redução de 17% e 22%, respectivamente. Em 2020, com as medidas de prevenção à Covid-19 e a restrição de circulação, o número de acidentes foi menor: 2.320 e 34 óbitos.

“A redução de acidentes é um reflexo da pandemia, mas também atribuímos às ações integradas: a fiscalização, a educação no trânsito e as melhorias em ruas e avenidas”, afirma o gerente do Observatório de Segurança do GGIM, Eversson Cadaval. De acordo com ele, a redução de óbitos vem sendo registrada há pelo menos dez anos. “Chegamos a contabilizar 95 óbitos em 2012 e 70 em 2013. De lá pra cá os números vem diminuindo, mas ainda temos muito que avançar”, disse.

Fatores

Dos 28 óbitos registrados em acidentes de trânsito no ano passado, 23 foram de homens e 5 de mulheres. As principais vítimas são motociclistas na faixa etária dos 18 a 29 anos, seguidos dos motoristas de veículos leves, pedestres e ciclistas. Os finais de semana, especialmente sábados e domingos, no período das 18h às 00h, registram os maiores números de acidentes, de acordo com os órgãos de segurança. O excesso de velocidade e a ingestão de bebidas alcoólicas ainda são os principais fatores de risco no trânsito. A falta do cinco de segurança também contribui para maior gravidade dos condutores e passageiros em um acidente.

Dados

O levantamento de dados tem contribuído com os órgãos de segurança e fiscalização do município, além de auxiliar nas campanhas de prevenção, como o Maio Amarelo. “O trabalho de avaliação é uma ferramenta importante de trabalho, uma vez que seus resultados direcionam as atividades dos órgãos envolvidos na política de paz no trânsito. Com esses dados em mãos é possível direcionar as ações de fiscalização, sinalização, engenharia de trânsito e educação. A proposta do PVT reforça a importância do trabalho intersetorial nas ações no trânsito, enfatizando que somente juntos salvamos vidas no trânsito”, destacou a coordenadora do Programa Vida do Trânsito e da Escola de Trânsito do Foztrans, Lizandra Bezerra.

Assessoria

Participe do nosso grupo no WhatsApp

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE