Além de aceitar a denúncia do Ministério Público contra Halif Ferreira de Lima, a juíza Raquel Fratantonio Perini negou o pedido da defesa do réu para realização do exame de sanidade mental dele.

Halif é acusado de matar a companheira Silvia Caroline França, 25 anos, e a filha dela, Ana Lis, de apenas nove meses.

O crime teria acontecido no dia 8 de setembro, mas os corpos só foram encontrados no dia 11 na casa onde ela morava, na Avenida Carlos Gomes, Bairro Parque São Paulo, em Cascavel. O suspeito ficou na casa com os corpos e inclusive tomou banho no banheiro do lado do corpo de Silvia, encontrado no chão do banheiro.

O advogado de Halif vai recorrer da decisão e insistir no exame. “Quero que seja feito o exame para que os médicos do Complexo Médico Penal de Piraquara atestem se ele tem ou não alguma doença de ordem mental. Porque não é normal uma pessoa matar um bebê de nove meses e uma mulher num domingo e ficar com os corpos até a quarta-feira, tomar banho no mesmo banheiro onde a mulher estava morta do lado… Se ele não tiver a doença, ele vai a júri e, se tiver, vai para tratamento no Complexo Médico Penal em Piraquara”, explica o advogado Ismael Kalil.

O MP pede sete qualificadoras aos dois crimes. O advogado pretende pedir a exclusão de pelo menos duas delas, já que, na visão dele, está havendo um “excesso de acusação”. Quais são as duas ele só deve revelar na audiência.