Irmãos Rossi: Polícia ainda apura motivação de crimes

O empresário Sandro Rossi foi atingido por mais de 20 tiros no dia 24 de abril no Bairro Santa Cruz

Uma semana após a tentativa de execução de Robson Rossi, 30 anos, registrada no Centro de Cascavel, em que cerca de 30 tiros foram disparados contra a vítima e um deles lhe atingiu o rosto, a Polícia Civil ainda apura a motivação do crime e não descarta a possibilidade de o ataque estar ligado às duas tentativas de execução do irmão Sandro Rossi, atingido por mais de 20 tiros no dia 24 de abril no Bairro Santa Cruz, tampouco que os autores dos crimes sejam os mesmos.

A Delegacia de Homicídios, que investiga o caso, realiza diligências e está colhendo informações sobre os casos.

As duas armas deixadas no local do crime pelos autores do atentado a Robson foram enviadas para perícia, assim como um telefone celular. A moto usada na ação, de acordo com a DH, estaria em nome de uma pessoa que a princípio não teria envolvimento com os crimes.

Conforme a DH, ninguém está preso pelos crimes e Robson foi ouvido apenas no dia seguinte ao ataque, quando foi levado do HU (Hospital Universitário) de Cascavel direto para a delegacia.

Na tarde de ontem parentes dos dois estiveram na Delegacia, mas não foi informado se prestavam depoimento.

Quase 50 dias após o ataque a Sandro Rossi, o crime continua sem solução, ninguém foi preso e ele segue internado em estado grave no HU.

Sem relação

A polícia descarta a relação da tentativa de homicídio registrada no último sábado (8) no Bairro Alto Alegre com os casos dos irmãos Rossi. Flávio Alves, 30 anos, andava pela rua, quando dois homens em uma moto chegaram ao estabelecimento e dispararam várias vezes contra ele. Flávio está internado no HU e assim que tiver alta deve ser ouvido pela polícia.



Fale com a Redação

dezenove + nove =