Em Toledo, Jhony Alorient, de 37 anos, haitiano de nascença e brasileiro de coração, viveu dias muito felizes e de imensa tristeza. Há menos de um mês, ele perdeu a esposa no parto das gêmeas Samya e Samantha, e agora luta para buscar outras três filhas que ainda estão no Haiti.

Ainda jovem, Jhony conheceu uma linda mulher chamada Evena Jourlien, com quem trocava cartas de amor, mensagens e muito carinho. Eles se casaram e começaram a construção de um sonho: uma família grande e próspera.

Foi o amor de Jhony e Evena que os ajudou a lidar com a perda de dois filhos logo nos primeiros anos de casamento. Após a tragédia, desse amor nasceram mais três meninas, hoje com 5, 8 e 13 anos.

A dificuldade financeira, a violência política e os desastres naturais que devastaram o território haitiano fizeram Jhony vir ao Brasil trabalhar, com a intenção de trazer toda a família na sequência.

Foi em Toledo que ele se estabeleceu e durante três anos trabalhou e economizou muito para trazer a esposa e, juntos, conseguirem o restante do dinheiro para que toda a família se reunisse no Brasil.

Com a chegada da esposa a Toledo, a alegria foi tanta que ela logo engravidou. Teve uma gestação serena e muito apoio de amigos e voluntários da Embaixada Solidária, que ajudou a montar o enxoval das bebês.

No dia 21 de julho, durante o parto das gêmeas, Evena, de apenas 26 anos, sofreu complicações cardíacas e morreu. “Eu a amava muito, não sei como será no futuro, meu coração dói muito, sinto bastante saudade dela”, diz Jhony, ainda emocionado.

A tristeza é dividida com a alegria da chegada das recém-nascidas. Para dar conta da missão de pai e mãe de duas meninas ao mesmo tempo, Jhony conta que auxílio de um verdadeiro time. “Não sabia que ser pai e mãe era tão difícil, mas farei o melhor por elas”.

Mesmo diante do cenário desolador, Jhony ainda tenta trazer as três filhas que ficaram no Haiti: Saida Alorient, Rud May Love Alorient e Katchina Alorient. “Eu sempre quis ter filhos, sempre quis ser pai, gosto de família grande e, apesar do momento, faço de tudo para estar com minhas filhas e tudo o que eu faço é para dar uma vida melhor para as minhas filhas”.

 

Dia dos Pais

“Pai fresco”, Jhony disse que neste ano será muito difícil o Dia dos Pais. Seu maior presente seria ter Evena e as meninas com ele. “Eu ligo todos os dias para as minhas filhas e, neste dia, vou fazer chamada de vídeo para elas. Eu sou a única família que elas têm e, por isso, devemos ficar mais unidos agora, espero em breve poder rever as meninas, sinto muita saudade”.

Para as recém-nascidas Samya e Samantha, diz que “vou protege-las de tudo, pois agora eu sou o pai e a mãe delas e logo as irmãs vão chegar e seremos uma família novamente”.

O sonho de Jhony é que as filhas tenham oportunidades melhores de vida no Brasil e que voltem ao Haiti só para passear.

Jhony trabalha numa recicladora de metais em Toledo e está sendo amparado por voluntários da Embaixada Solidária. Ele foi acolhido pelo casal Edna Nunes e Leonardo Hipólito, que ajuda a cuidar das gêmeas. Amigos e voluntários dão força para que a família consiga novamente se unir. Quem tiver interesse em ajudar pode entrar em contato pelo telefone (45) 99935-3486.

 

Reportagem: Silmara Santos

 

Foto: Maria Fotografia / Onibianca Fotografia