Brasília – O Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária) determinou aos seus servidores a paralisação de todos os processos de aquisição, desapropriação ou outra forma de obtenção de terras para o programa nacional de reforma agrária no País.

Por medida provisória e decreto assinados pelo presidente Jair Bolsonaro, o Incra saiu da Casa Civil da Presidência, onde estava desde 2016, para o Ministério da Agricultura, comandado agora pela líder da bancada ruralista no Congresso Tereza Cristina (DEM-MS), onde funcionará uma Secretaria de Política Agrária comandada pelo pecuarista e líder ruralista Nabhan Garcia, um adversário do MST desde os anos 80.

 

Tensão

Desde sua criação, em 1970, o Incra contabiliza 1,34 milhão de famílias assentadas no programa de reforma agrária em 9,4 mil assentamentos criados e reconhecidos em 88 milhões de hectares.

A paralisação da reforma agrária confirma o temor dos movimentos de sem-terra. Ainda candidato, Jair Bolsonaro ameaçou criminalizar ações do MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra), a quem chamou de terroristas.