As geadas da última semana afetaram as lavouras de trigo, assim como a seca já tinha afetado em torno de 3%, reduzindo a expectativa de produção em torno de 250 mil toneladas. Mas, ainda assim, o Paraná deverá colher a melhor safra desde 2016. A produção de trigo no Estado este ano deve atingir 3,47 milhões de toneladas, um aumento de 62% em relação ao ano passado quando foram colhidas 2,14 milhões de toneladas.

Segundo o engenheiro agrônomo Carlos Hugo Godinho, do Deral, cerca de 20% da área plantada, de 1,1 milhão de hectares, está com resultado incerto devido às geadas que foram recentes e os resultados mais efetivos aparecerão com o avanço da colheita que está no início.

Os preços do trigo já reagiram no mercado em decorrência do clima. Hoje o trigo está sendo negociado a R$ 58 a saca com 60 quilos, 26% a mais do que foi negociado em igual período do ano passado.

Milho Safrinha: Quebra na região oeste chega a 31%

Toledo – O último levantamento realizado pelo Deral (Departamento de Economia Rural), da Seab (Secretaria da Agricultura e Abastecimento), mostra que a queda na produção do milho safrinha na região oeste do Paraná já é 31% menor que a safra anterior.

Levando em conta que a área cultivada foi 5% menor, as lavouras sofreram com a estiagem severa e duradoura. A produtividade média por hectare caiu 27%, indo de 6.852 em 2019 para 4.983 na safra atual.

A região é composta por duas regionais, Toledo e Cascavel. Em Toledo, 80% da área de 432.000 hectares já foi colhida. A redução na produção estimada é de 36% em relação à safra anterior e a produtividade é 34% menor – a média é de 4.720 kg/ha, quando em 2019 era de 7.121 kg/ha.

Já na região de Cascavel a situação é menos complicada. A área colhida corresponde a 88% do total de 282.220 hectares cultivados e a queda de produção em relação a 2019 é de 23%. A produtividade é 17% menor, com produção média de 5.385 kg/há, contra 6.461 kg/ha de 2019.