Seul – Uma das forças na patinação de velocidade dos esportes de inverno, a Coreia do Sul foi abalada nesta semana por um escândalo de assédio sexual. Cinco atletas do time sul-coreano, que não tiveram seus nomes revelados, acusaram treinadores de abuso.

Uma das patinadoras alega que o técnico a beijou à força e a atacou verbalmente quando a atleta rejeitou a investida. As mulheres são representadas por um grupo chamado de Solidariedade para Jovens Patinadoras (SYS em inglês), que veio à público com as acusações na segunda-feira (21), com apoio do advogado Sohn Hye-won.

De acordo com o SYS, as mulheres permaneceram anônimas por medo de retaliação daqueles que defendem os treinadores e da comunidade dos patinadores.

O advogado pediu investigação contra Jun Myung-kyu, antigo treinador nacional do time de patinadoras e figura influente no esporte sul-coreano. O ex-treinador se defende alegando que não tem influência na federação e nem conhecimento dos abusos.

A crise no esporte sul-coreano começou em janeiro de 2018, quando a medalhista de ouro Shim Suk-hee acusou seu ex-treinador de abuso sexual e violência durante sua adolescência. Em setembro, o treinador Cho Jae-beom foi condenado por bater e abusar da atleta, que quando sofreu abusos tinha sete anos de idade. Desde então, atletas de diversos esportes fizeram acusações de abuso de treinadores na Coreia do Sul.