Empresa arrecada mais de 14 toneladas de alimentos para trabalhadores afetados

A ideia foi compartilhada com todos os 83 colaboradores dos quatro escritórios da empresa e todos decidiram ajudar.

O isolamento social e o fechamento temporário do comércio e indústrias por determinação dos órgãos governamentais em razão do coronavírus já está afetando a economia. E quem sofre com os prejuízos não são só os donos e funcionários dessas empresas, mas também prestadores de serviço que atuam de maneira autônoma ou na informalidade.

Quando usar máscara de pano

Com tudo fechado e sem entrada de dinheiro, muita gente que tinha trabalho constante viu as oportunidades de trabalho minguarem instantaneamente e os recursos diminuírem a ponto de não saberem se terão como comprar comida para alimentar a família pelos próximos dias.

Estes profissionais não se enquadram em programas assistenciais do governo, nem recebem ajuda de ONGs, o que acabava deixando-os em uma lacuna difícil de ser preenchida enquanto a situação não se normaliza. Pensando nesse público, uma empresa de assessoria de investimentos mobilizou seus colaboradores para arrecadar cestas básicas para estas famílias.

A ideia foi compartilhada com todos os 83 colaboradores dos quatro escritórios da empresa e todos decidiram ajudar. As doações, em dinheiro, foram de R$100 a R$ 10 mil, conforme o que cada um se dispôs a doar – a empresa disponibilizou o total arrecadado para comprar os alimentos à vista, com os fornecedores e parcelou o valor para que os doadores possam pagar um pouco a cada mês. “Cada um ajudou como podia. Tinha muita gente que queria doar mais, mas não estava preparado este mês, então a empresa parcelou a ajuda, descontando do salário da forma que cada um achasse melhor, e adiantou o valor integral para a compra”.

Para direcionar as doações, foi feito um mapeamento em parceria com ONGs e iniciativas populares para mapear quem são e onde estão as famílias que estão nessa situação. O foco foi achar pessoas que foram atingidas pela crise, mas não recebiam nenhum tipo de ajuda assistencial.

As doações serão divididas entre as cidades de Maringá, Londrina, Curitiba e São Paulo – todos centros de atuação da empresa – além de municípios vizinhos. Só para Maringá e região serão distribuídas 700 cestas básicas. As entregas começarão na próxima quarta-feira, dia 22.

Mosquito da dengue nas áreas externas


Fale com a Redação

17 − 2 =