Apesar de um ano difícil e desafiador, a Coopavel (Cooperativa Agroindustrial de Cascavel) faturou R$ 2,5 bilhões em 2018, o que representa aumento de 19% sobre os R$ 2,1 bilhões movimentados no exercício anterior, de acordo com o relatório aprovado pelos cooperados em AGO (Assembleia-Geral Ordinária) realizada nesta semana em Cascavel. “Os desafios foram vencidos com confiança, dedicação e persistência de todos os produtores rurais associados e de todos os colaboradores”, comentou o presidente da cooperativa, Dilvo Grolli, ao acrescentar que o número de cooperados aumentou 6%, chegando a 5.289 associados frente aos 5.066 de 2017.

Grolli e equipe também apresentaram dados do relatório como balanço patrimonial e demonstração de sobras, que foram aprovados por unanimidade.

Cerca de 300 cooperados participaram da AGO, que foi a última de um ciclo de 16 pré-assembleias que contemplaram as 28 filiais da Coopavel e a primeira de 2019 das cooperativas ligadas ao Sistema Ocepar. Diversas autoridades participaram, entre elas o presidente do Sistema Ocepar, José Roberto Ricken.

Em seu discurso, Ricken lembrou que 2018 foi um ano dramático para o agronegócio e para a economia brasileira: “[2018] Foi politicamente complicado, com enormes desafios internacionais ao mercado de carnes e com dificuldades de acesso ao crédito”.

Mesmo assim, segundo ele, o faturamento das cooperativas foi R$ 13 bilhões superior ao do ano anterior, mas com redução de resultados, consequência da junção de dificuldades de um ano de crise bastante séria.

Em apenas oito anos, o faturamento das cooperativas no Paraná aumentou de R$ 26 bilhões para R$ 83,5 bilhões. “E em dois anos vamos alcançar R$ 100 bilhões, com crescimento líquido acima de 10% ao ano”.

O avanço se deve, especialmente, aos novos investimentos em agroindustrialização e em infraestrutura, na casa de R$ 2 bilhões por ano. As 215 cooperativas paranaenses, juntas, geram 97 mil empregos. E em mais de 130 municípios a maior empresa é uma cooperativa.

Desafios

O desempenho das cooperativas e a expectativa de anos melhores com um novo governo também foram destacados por José Roberto Ricken: “Mesmo que o clima seja de otimismo, temos inúmeros desafios pela frente, como reconstruir vários contatos que se perderam ao longo dos últimos anos. Porém, mudanças importantes no governo permitem vislumbrar dias melhores sempre de olho na nossa missão primeira, que é o compromisso com o desenvolvimento”.

Ricken falou ainda que na próxima década o mercado exigirá 10% a mais de alimentos e, dessa soma significativa, 40% deverão ser produzidos no Brasil. “Queremos poder trabalhar com segurança, com respeito e com perspectivas. Queremos crescer junto com o Brasil”, afirmou.

A Assembleia-Geral da Coopavel elegeu também o novo Conselho Fiscal da cooperativa para o ano de 2019, que ficou assim constituído: Gustavo Riepenhoff, Ademir Sebold, Luiz Carlos Magro, Luiz Boni, Gilmar Mossoi e Valmor Stofela.