A C.Vale Cooperativa Agroindustrial mobiliza o setor agrícola esta semana com seu Dia de Campo, que teve início na terça-feira e segue até hoje (17), em Palotina.

Um dos assuntos em pauta é o controle da ferrugem asiática, que pode devastar lavouras inteiras de milho e soja.
Pela primeira vez no evento, a Basf apresenta seu portfólio completo de soluções para agricultura, que inclui sementes de soja Credenz® e a marca de licenciamento SoyTech®, e reforça a relevância do manejo fitossanitário preventivo das lavouras de milho e soja.

De acordo com dados apresentados pelo Consórcio Antiferrugem, o Paraná lidera as ocorrências de ferrugem asiática na safra 2018/2019, com mais de 50 casos. A região de Palotina também registrou incidência da doença nesta safra. “Sabemos que, se o manejo da ferrugem asiática não for feito de maneira correta, a doença pode causar redução de até 80% na produtividade da soja. É essencial que o agricultor seja eficiente no controle das doenças e pragas da lavoura, realizando o monitoramento constante para elevar os índices de produtividade e garantir a longevidade do negócio”, observa Helio Cabral, gerente de Marketing Soja da Basf.

Durante o Dia de Campo C.Vale, o visitante encontra informações sobre o fungicida Versatilis®, cuja aplicação é feita com o Status®, fungicida de ação multissítio. Segundo pesquisas realizadas em mais de 25 mil hectares, o uso desses produtos em conjunto com outras soluções da Basf resultou em aumento da produtividade em duas sacas de soja por hectare (safra 2016/2017).

Safrinha

Com a colheita da soja se aproximando da fase final na região, os agricultores começam os preparativos para o cultivo de uma segunda safra – também conhecida como safrinha. 

Helio Cabral lembra que é preciso aguardar a dessecação completa da lavoura de soja para finalizar a colheita. “Esse processo é extremamente estratégico para assegurar bons resultados em quantidade e qualidade dos grãos. Muitas vezes é preciso acelerar a padronização da secagem na lavoura para aproveitar uma melhor janela de plantio do milho”, explica Cabral. 

Para o processo de dessecação de pré-colheita da soja, a Basf conta com o herbicida dessecante Finale®, que pode ser usado para este fim, além de ser uma importante ferramenta para o controle eficiente de plantas daninhas no manejo pré-plantio da oleaginosa.

A safra de milho neste ano deverá alcançar quase 64 milhões de toneladas, segundo estimativa da Conab (Companhia Nacional de Abastecimento). Os agricultores devem ficar atentos para a ocorrência de pragas, como a lagarta-do-cartucho, e de fungos, que podem provocar doenças como a chamada “mancha branca” nas lavouras de milho.

“O agricultor precisa assegurar o monitoramento fitossanitário e manejo adequado para aumentar a rentabilidade da lavoura nesta safra, uma vez que existe a tendência de preços não muito favoráveis”, observa Stael Prata Silva Neto, gerente de Marketing Milho da Basf. 

A empresa conta com produtos como o Imunit®, inseticida que combate a lagarta-do-cartucho, e os fungicidas Orkestra®SC e Abacus® HC para prevenir o surgimento de doenças como a “mancha branca”.

Estande atrai grande público em busca de emprego

Mais de mil pessoas já passaram pelo estande Agroprofissões no Dia de Campo C.Vale. A equipe do Departamento de Recursos Humanos da cooperativa está recebendo currículos, fazendo testes de aptidão e apresentando as oportunidades de trabalho através de palestras e testemunhos de profissionais que já fazem parte do quadro da empresa. A C.Vale está ofertando 600 novas vagas para indústrias e unidades de negócios em todas as suas áreas de negócios.
Ruth Ribeiro da Silva, de Paulistânia, região de Alto Piquiri, trabalha há seis meses no abatedouro de aves. Ela aproveitou o estande para fazer o teste de aptidão e se conhecer um pouco mais. “Fiquei feliz com a devolutiva dada pela psicóloga. Ela disse que sou participativa, gosto de trabalhar em equipe”. 

Já Yuri Mehret, acadêmico de agronomia da região de Guarapuava, estava em busca de estágio: “A C.Vale é uma empresa muito respeitada no mercado. Fazer estágio ou até mesmo trabalhar nela será uma conquista”, enfatizou, após deixar seu currículo e fazer o teste de aptidão. 

A gerente de Desenvolvimento Humano e Organizacional da C.Vale, Sandra Cantu Hendges, revela que a procura por oportunidade de trabalho e o teste de aptidão tem atraído grande público. “As pessoas querem se conhecer e esse teste ajuda muito”, resume. 

A assistente de RH Renata de Souza Silva reforça que tem mais de 15 profissionais atendendo no estande: “A busca pelo autoconhecimento e as 600 vagas disponibilizadas pela cooperativa têm sido nosso carro-chefe”. 

Mais informações: www.cvale.com.br/diadecampo