“Cascavel vive a maturidade”

Prefeito Leonaldo Paranhos fala sobre empréstimos em andamento, investimentos no desenvolvimento econômico e seu futuro na política. Confira a entrevista.

Reportagem: Josimar Bagatoli

brde1

HojeNews – Obras que estavam paradas foram retomadas, algumas concluídas e outras em andamento, como o Terminal de Passageiros do Aeroporto, com 50% dos serviços executados. O que fica para o ano que vem?

Leonaldo Paranhos – Temos a revitalização de avenidas pelo Avançar Cidades, R$ 30 milhões de investimentos; Plano Municipal de Mobilidade; ciclo das estradas rurais – são 200 quilômetros, estamos chegando a 107 quilômetros de cascalho readequação e asfalto; Ecopontos – sistema ambiental, mais cinco unidades; três escolas para entregar: da Transparência, a Gladis Tibola e o antigo Caom, que não começou. Tenho um compromisso com a iluminação pública: disse em campanha que instalaria LED e vamos cumprir. Há 18% do plano de governo a ser concluído.

HojeNews – E como serão aplicados os US$ 40 milhões do Fonplata?

Paranhos – Não vou decidir sozinho, será uma ação em conjunto, com um colegiado de moradores. É um empréstimo e só farei se tiver o aval e a consciência de todos. Já pedi ao Edson Vasconcelos e ao Cletírio Feistler para levar o debate à Acic, ao Conselho de Desenvolvimento, à Câmara de Vereadores e a líderes comunitários – não só o presidente de bairro, mas o padre, o comerciante… enfim, vamos ouvir a necessidade, explicar que não há dinheiro. Querem que façamos as obras? Vamos explicar sobre as condições – juro, tempo para pagar… – e, se houver aprovação, faremos. Se houver cortes, cortaremos. E se houver veto, não faremos.

HojeNews – Para o desenvolvimento econômico, o que tem projetado?

Paranhos – Faremos de 18 a 22 de novembro o maior mutirão de liberação de recursos da história de Cascavel, com todas as instituições financeiras, com juros subsidiados. Vamos lançar o Banco da Mulher, com liberação de até R$ 10 mil para empreendedoras. Liberação de crédito para todos os empreendedores – R$ 100 milhões, ao todo. Faremos o perdão de dívidas de mais de 10 mil pessoas que devem à prefeitura – pequenos devedores que têm lá um saldo de R$ 200, R$ 300… uma pequena empresa, que não foi dada baixa e acumulou R$ 4 mil e não consegue resolver e a prefeitura tem um prejuízo enorme para ficar cobrando, então vamos dar o perdão com uma contrapartida: com aula no Sebrae sobre educação financeira, empreendedorismo – como aplicar o dinheiro – e assim consegue a isenção.

HojeNews – E os grandes devedores?

Paranhos – Os grandes devedores são os insensíveis, aproveitadores, que criam problemas para a cidade. Não pagam, entram na Justiça e ganham. Fizemos o Refic [Refinanciamento Fiscal], conseguimos avanços. E agora faremos com a Justiça acordos na presença do juiz. Pretendo mandar ainda neste fim de ano, no mais tardar na volta do recesso, uma lei permanente para obter o recebimento desses grandes devedores.

HojeNews – Houve um avanço social grande no governo…

Paranhos – Tenho essa característica, gosto de gente! Claro que sei que uma cidade deve ser para todos. Então distribui as ações para contemplar todos. Em relação a repasses, foram os três piores anos e conseguimos avançar com o Cartão Promover, o Cartão Vida Nova, o Beberço, políticas para melhorar a vida de quem mais precisa.

HojeNews – O PAI [Programa de Atendimento Imediato] fecha esse ciclo?

Paranhos – O PAI fecha isso… Se não tivéssemos tanta falta de investimento na atenção básica, teríamos implantado o PAI antes. O promotor de Justiça [Ângelo Mazzuchi] não concedeu antes pois tínhamos que avançar. Pegamos a cidade com 50% de cobertura e hoje estamos com 80,28%. Tínhamos 23 equipes completas e quatro incompletas e hoje estamos com 50. Com isso, o promotor disse: “Vamos seguir com o PAI, mas não pode usar dinheiro da atenção básica”. Respondi: “Nosso compromisso é 12%, estamos investindo 32%”.

HojeNews – E em relação à educação básica?

Paranhos – Havia 53 escolas com apontamentos do Ministério Público, dos quais 23 com pedido de fechamento… Era escola chovendo dentro, com risco na rede elétrica, fossas nos quintais. Fizemos um pente-fino, reformamos 35 escolas. Tínhamos 14 obras paradas, cinco eram da educação. Avançamos muito e transformamos as escolas em ambientes agradáveis. Nosso cardápio é referência nacional. Temos seis cardápios e chegaremos a oito, diversificado, com alimentos diferenciados. São 70 mil refeições por dia. Investimos muito em educação.

HojeNews – Qual a meta para os servidores?

Paranhos – Pretendemos investir muito no servidor, com qualificação e atendendo as reivindicações – dentro das nossas possibilidades. Aumentamos muito a demanda de serviços, com isso precisamos aumentar as equipes. Por exemplo, atendíamos 380 mil pessoas na saúde, hoje são 780 mil. Claro que colocamos mais 25 equipes de PSF [Programa Saúde da Família], mas precisamos mais. Na educação, tínhamos 25,6 mil estudantes, hoje são 31,8 mil. Teve aumento significativo. Nosso foco é viabilizar para ter investimento no servidor público.

HojeNews – O que podemos comemorar nesses 68 anos de Cascavel?

Paranhos – Além das obras, comemoro a maturidade que Cascavel vive: chegamos a uma maturidade do poder público, da sociedade e das entidades. Nosso governo deu um passo importante: não dividindo, mas somando.

HojeNews – Faria algo diferente?

Paranhos – Sempre temos acertos e erros. As coisas aconteceram e foi, para mim, uma experiência. Não tenho arrependimento, tenho angústia da demora de ver algumas coisas acontecerem… planejar para 30 dias e acontecer em 90… a experiência do quarto ano de governo nos deixa lapidados.

HojeNews – E seu futuro na política?

Paranhos – É uma decisão difícil de tomar. A reeleição tem condenado muitos políticos e tenho consciência disso. Só serei candidato à reeleição se houver um grupo de pessoas que tenham o mesmo entusiasmo que tivemos no primeiro mandato e estamos tendo. A reeleição não é uma cama para descansar. É um desafio para fazer mais o que já se fez. Então é uma decisão difícil, que só tomarei em março.

brde1

Receba as principais notícias através do WhatsApp

ENTRAR NO GRUPO

Lembre-se: as regras de privacidade dos grupos são definidas pelo Whatsapp. Ao entrar seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.


Fale com a Redação