Apesar do valor milionário, a licitação nacional para a duplicação da Avenida Itelo Webber, no acesso ao Aeroporto Municipal de Cascavel, teve apenas duas empresas interessadas. Na habilitação, está como primeira colocada a Rio Quati, que apresentou proposta de R$ 4,660 milhões, e a segunda é a Petrocon, com valor de R$ 5,025 milhões, acima do máximo previsto em edital, de R$ 4,7 milhões. A diferença de valores entre ambas é de R$ 365 mil.

“Agora os documentos passam por análise do IPC [Instituto de Planejamento de Cascavel] e do Jurídico. Se tudo estiver de acordo, a ordem de serviço será assinada em no máximo dez dias”, explica Alsir Pelissaro, presidente da Cettrans (Companhia de Engenharia de Transporte e Trânsito de Cascavel). A estimativa é de que em quatro meses toda a obra esteja pronta.

Essa é uma das últimas obras previstas dentro do empréstimo do BID (Banco Interamericano de Desenvolvimento), por meio do PDI (Programa de Desenvolvimento Integrado). A proposta da duplicação é melhorar a fluidez de trânsito no trecho, apesar do baixíssimo movimento atual.

A obra

Serão executados 31.105,26 metros quadrados de obras, sendo que, desse total, 9 mil metros são referentes ao estacionamento de veículos do novo Terminal de Passageiros do Aeroporto, microdrenagem do aeroporto, com execução do emissário de galeria pluvial até o córrego, sinalização viária, calçadas, paisagismo e acesso de veículos, duplicação e recape da malha existente. O projeto contempla ainda, além da duplicação da pista existente, alteração no traçado para contornar o novo terminal, atendendo às normas Anac (Agência Nacional de Aviação Civil) de exigência da distância mínima do eixo da pista de pouco e decolagem.

 

Aeroporto

Além dessa obra recém-licitada, engenheiros da prefeitura analisam a pintura da taxiway – onde as aeronaves poderão circular para acessar os novos hangares que já estão em fase final no Aeroporto Municipal de Cascavel.

Foram construídos dez de um total de 11: um deles, do médico e ex-secretário de Saúde Ildemar Canto, será licitado novamente, pois ele desistiu da estrutura.

Também estão em andamento as obras de pavimentação da via de acesso aos hangares – exigência estabelecida pela Anac (Agência Nacional de Aviação Civil). Mesmo sendo um acesso privativo, o serviço será executado pela prefeitura. “Vamos primeiro compactar o acesso com pedras e aos poucos aplicar a pavimentação asfáltica”, diz Alsir Pelissaro.

 

Terminal

Ao contrário do baixo interesse pela duplicação da Itelo Webber, a obra de conclusão do Terminal de Passageiros deve atrair mais empresas. Ontem, inclusive, um grupo de empreiteiros vistoriava a obra abandonada pela Construtora Onça S/A ainda em 2015. A análise é necessária para estipular os valores e os orçamentos do edital da prefeitura.

A movimentação na estrutura abandonada chamou a atenção de passageiros que esperam há muito tempo por melhores condições nas salas de embarque e desembarque.

A conclusão do terminal tem valor máximo de R$ 18.574.150,06. A licitação pública nacional será em 7 de dezembro, às 14h.

A futura estrutura terá 6 mil metros quadrados e contempla praça de alimentação, lojas e mirante para a pista.

A previsão é de que a obra fique pronta em um ano.